SportAccord: A convenção da polémica

SportAccord: A convenção da polémica
De  Euronews com euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Esta edição especial de Sports United é quase totalmente dedicada à convenção da SportAccord, em Sochi. Também ficamos a conhecer melhor o sumo, um desporto made in Japão, e ainda um atleta de esqui-a

PUBLICIDADE

Esta edição especial de Sports United é quase totalmente dedicada à convenção da SportAccord, em Sochi, a estância russa nas margens do Mar Negro que recebeu os Jogos Olímpicos de Inverno, no ano passado. Também ficamos a conhecer melhor o sumo, um desporto made in Japão, e ainda um atleta de esqui-alpinismo.

Presidente da SportAccord declara “guerra” ao COI e perde a 1.ª batalha

A convenção começou em tom de polémica com o presidente da SportAccord, Marius Vizer, a abrir uma “guerra” com o Comité Olímpico Internacional e o seu presidente, Thomas Bach.

O discurso de Vizer provocou uma debandada da SportAccord. A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e a de Tiro (ISSG) bateram com a porta; 15 federações condenaram as palavras de Vizer e as organizações olímpicas suspenderam a sua filiação na SportAccord.

Statement: IPC withdraws from #SportAccord in protest at comments made by its President -> http://t.co/63LIXlisrApic.twitter.com/jFnB5n81SI

— Paralympic Games (@Paralympic) April 21, 2015

Marius Vizer disse que tentou “sempre desenvolver uma colaboração construtiva com o COI e com o presidente Bach. Uma colaboração assente no respeito pelo movimento Olímpico, pelos seus membros e pelos valores” em que acredita. “Infelizmente, (essa colaboração) nunca se tornou realidade”, apesar de assegurar que fez “várias propostas a favor e em benefício das federações internacionais e da SportAccord” que nunca tiveram “uma reacção positiva”.

“Sr. Presidente (Bach), pare de bloquear a estratégia da SportAccord na sua missão de identificar e organizar convenções e eventos multidesportivos”, continuou Vizer.

O também presidente da Federação Internacional de Judo (IJF) foi ainda mais longe: “O sistema do COI expirou, está ultrapassado, é errado, injusto e não é de todo transparente”.

Na resposta, o presidente do COI afirmou: “o que precisamos é de credibilidade e essa credibilidade só pode ser alcançada se tivermos alguma unidade no meio da nossa diversidade. Convido todos a apresentarem as suas diferentes opiniões, a trazerem os seus projectos e os seus objectivos. Mas, depois estejam unidos no nosso esforço coordenado e permanente para o crescimento do desporto e para uma sociedade melhor através do desporto”.

http://t.co/aQQSqoqtgQ#WinterOlympic#WinterOlympicGames [Reuters]International judo federation president Vizer, whose SportAccord orga…

— Winter Olympic Info (@winterolympic_e) April 22, 2015

A declaração de “guerra” ao COI, as críticas e as cisões que se seguiram foram naturalmente o tema da entrevista da euronews ao presidente da SportAccord.

. @sportaccord president takes aim at the International Olympic Committee http://t.co/CPM2Sn0RqT#IOCpic.twitter.com/PuD35kMi0A

— euronews (@euronews) April 22, 2015

Marius Vizer:“O COI – que é considerada como a maior organização, instituição, sistema ou o que quiser, desportiva – é ou quer assumir o papel de líder do desporto mundial. Todos nós respeitamos e reconhecemos o olimpismo e os Jogos Olímpicos. Mas, por detrás disso tem de existir um verdadeiro sistema”.

euronews: Momentos após o seu discurso, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) saiu da SportAccord e fez parte das 15 federações, incluído a FIFA e a de natação, que assinaram uma carta em que discordam dos seus comentários e do seu tom. Tem algum apoio das federações?

“No desporto, temos de fazer uma distinção entre os que vivem para o desporto e os que vivem do desporto. Para os que vivem do desporto, em maior ou menor grau, é muito atractivo e muito interessante defender o sistema porque as virtudes do sistema, o COI, tem muitos tentáculos apontados em diferentes direcções. Portanto, a questão é muito simples: queremos limpar a história ou encobrir a história?”> More from @alanabrahamson on the political intrigue taking place at #SportAccord in Sochi this week. http://t.co/LC1qnPtHvw

— Martin Bingisser (@bingisser) April 22, 2015

A polémica promete continuar. Vizer já pediu entretanto desculpa pelo tom utilizado mas reafirma que as coisas têm de mudar.

==

http://t.co/Tkdckm5Vk5#judo [Sports Features]The letter represented the 27 summer sports federations with the exception of judo. The Sp…

— Judo News (@judo_en) April 22, 2015

Sob os holofotes: Killian Jornet

“Comecei a fazer as minhas primeiras corridas de esqui de fundo quando tinha 3 anos. Vesti o equipamento de esqui-alpinismo pela primeira vez aos 5 anos e comecei lentamente a subir montanhas. Depois, temos de trabalhar muito. Temos de treinar intensamente, estar preparados e motivados. (E depois), com os anos, os resultados acabam por aparecer.

O meu treino não é verdadeiramente científico. Tenho estudado ciências desportivas, portanto tenho alguns conhecimentos sobre o nível de intensidade que tenho de ter, sobre o tipo de treino que tenho de realizar para ganhar uma prova.

Adoro este desporto porque não é como os 100 metros, em que podemos correr cada vez mais depressa, mas que é sempre o mesmo. Aqui, temos de subir ao cume para ver os vales atrás da montanha”.

Mais informação:
http://en.wikipedia.org/wiki/K%C3%ADlian_Jornet_Burgada

http://adventure.nationalgeographic.com/adventure/adventurers-of-the-year/2014/kilian-jornet-burgada/

PUBLICIDADE

Sumo: Duelo de gigantes

Diz-se que menos é mais, algo que se adapta na perfeição às regras do desporto que vamos conhecer a seguir, mas não aos atletas que competem nele, os ‘Rikishi’. Esta semana, olhamos por dentro o Sumo, um teste de força em combate.

O sumo profissional, como o conhecemos hoje, nasceu no Japão, no século XVII, e tornou-se num importante ritual da corte nipónica durante o período Edo. Utilizado em combate, foi também associado a rituais em vários templos.

Meet the Japanese heavyweights of Brazilian sumo: http://t.co/gcVztL93hS@StephanieFuertepic.twitter.com/aP1xhbqNCs

— John Sinnott (@JohnSinnott) April 22, 2015

O sumo pratica-se num “dohyo”, um ringue com cerca de 4,5 metros de diâmetro desenhado numa plataforma feita de barro e coberta com areia.

As regras são muito simples: para vencer, um lutador, chamado “rikishi”, tem de empurrar o adversário para fora do círculo ou forçar o oponente a tocar o solo com qualquer outra parte do corpo que não seja a planta dos pés.

No combate vale quase tudo menos agredir e estrangular o adversário ou fazer uma pega no cinto na zona da virilha.

PUBLICIDADE

Mais informação:
http://www.ifs-sumo.org/

http://www.sumotalk.com/rules.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Sumo

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Advogados de Navalny em prisão preventiva até março de 2024

Valeriy Gergiev foi nomeado diretor do teatro Bolshoi de Moscovo

Rússia classifica movimento LGBT como "organização extremista"