A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

250 mil crianças dadas como desaparecidas anualmente na Europa

250 mil crianças dadas como desaparecidas anualmente na Europa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No dia 25 de maio celebra-se o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas. Neste dia o mundo comemora o regresso a casa das crianças dadas como desaparecidas, recorda as que foram vítimas de um crime e relança os esforços em busca das crianças que permanecem sem paradeiro conhecido. O símbolo deste dia é o miosótis, uma flor que também conhecida por “não-me-esqueças”.

Video:

O Dia das Crianças Desaparecidas começou a ser celebrado nos EUA em 1983. Em 2001 a data ficou consagrada internacionalmente devido aos esforços do Centro Internacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, da Missing Chlidren Europe e Comissão Europeia.

Em Portugal houve cerca de 1400 participações de desaparecimento de menores de 18 anos em 2014. De acordo com o diretor nacional adjunto da Polícia Judiciária, Pedro do Carmo, a maioria dos casos prende-se com raptos parentais ou fugas dos menores. Relativamente ao ano passado, há 16 menores que permanecem em paradeiro desconhecido.

Crianças desaparecidas – factos e números

De acordo com a Comissão Europeia, todos os anos há cerca de 250 mil crianças que são dadas como desaparecidas, ou seja uma participação de dois em dois minutos.

O estatuto de criança desaparecida engloba várias categorias: rapto parental, fuga, desaparecimento de imigrantes menores desacompanhados, raptos criminais, crianças perdidas ou feridas.

Entre 2 e 5 por cento dos casos são raptos criminais (relatório 2014 da Missing Children Europe).

O perigo de uma criança em fuga cometer suicídio é nove vezes superior ao de outra criança.

As fugas compõem metade dos casos registados nas linhas telefónicas de emergência (relatório 2014 da Missing Children Europe).