Turquia vive onda de atentados contra militares e polícia

Turquia vive onda de atentados contra militares e polícia
De  Ricardo Figueira com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

População curda está revoltada contra o governo de Erdoğan, que acusa de colaborar com o grupo radical Estado Islâmico.

PUBLICIDADE

Depois do terramoto que foi o atentado à bomba em Suruç, junto à fronteira com a Síria, a Turquia está agora a sofrer as réplicas.

Em vários pontos do país, foram mortos polícias e militares, nomeadamente em Ceylanpinar e Diyarbakir, no Curdistão turco.

A população curda aponta o dedo ao governo do AKP, do presidente Recep Tayyp Erdoğan. Acusa-o de ser cúmplice dos radicais do grupo Estado Islâmico, ao não intervir para impedir ataques como o de segunda-feira e não facilitar a entrada de refugiados curdos da Síria.

O vice-primeiro-ministro, Bülent Arınç, anunciou a construção de barreiras contra a entrada de terroristas no território: “Ao construir muros, o nosso objetivo é impedir a passagem dos terroristas e do contrabando. Queremos também direcionar o fluxo de refugiados para os vários pontos de entrada ao longo da fronteira”.

As manifestações contra o governo são agora diárias e um pouco por todo o país. São, sobretudo, os curdos a protestar. Uma das palavras de ordem é “governo assassino”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bomba de Suruç foi "estreia" do EI na Turquia

Responsáveis da discoteca que ardeu em Istambul detidos para interrogatório

Incêndio em discoteca de Istambul faz dezenas de mortos