A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Egito conta com maná do Suez para superar perdas no turismo

Egito conta com maná do Suez para superar perdas no turismo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Canal do Suez tem, a partir de hoje, 72 quilómetros totalmente renovados, uma obra realizada no prazo recorde de 12 meses e que custou 8,5 mil milhões de dólares. Resulta de um esforço colossal do Egito para incrementar a economia e resolver problemas de segurança.

O projeto, em estudo há várias décadas, prevê ainda a construção de um aeroporto, quatro portos e um centro logístico no qual a China e a Rússia já demonstraram interesse.

A queda de Hosni Mubarak, em 2011, mergulhou o Egito numa grave crise política e económica.

O projeto, “em estudo há várias décadas”, prevê ainda a construção de “um aeroporto, quatro portos e um centro logístico” no qual a China e a Rússia já demonstraram interesse.

O alargamento do Canal do Suez implicou a a construção de uma nova via navegável, com 35 quilómetros de extensão, e o alargamento e aprofundamento de 37 quilómetros do canal original. Os barcos podem agora viajar nas duas direcções ao longo de todo o canal, numa viagem de onze horas, menos sete horas que até agora.

As autoridades egípcias transmitem a mensagem de que, apesar da agitação dos últimos anos, o país está a planear o futuro.

Zaki Ibrahim, militar na reserva:

- Foi cumprido um dever nacional. Todos quiseram investir. Era o momento exato para o fazer. Um projeto como este tinha de ser realizado com o nosso dinheiro, não com o dinheiro de terceiros ou do Banco Mundial.

O Canal do Suez, construído em 1869, veio encurtar as distâncias entre a Europa e a Ásia.

A via, que liga o Mediterrâneo ao Mar Vermelho, elimina a necessidade de contornar o continente africano.

Em 1956, o presidente Gamal Abdel Nasser, nacionalizou o canal, até então gerido pelo Reino Unido e pela França.

O braço de ferro desencadeou a Crise do Suez, marcada pela invasão de uma parte do Egito pelas forças militares britânicas e israelitas.

Depois da nacionalização, a via navegável de 192 km tornou-se no pulmão económico do Egito.

O Cairo espera que a circulação, nos dois sentidos, se reduza de 22 para 11 horas e calcula um rendimento de mais de 5 milhões de dólares…e, até 2023, receitas no valor de 13,2 milhões de dólares.

Até essa data, o tráfego diário deve chegar aos 93 navios; atualmente utilizam a via fluvial 49 barcos por dia.

A estagnação do setor marítimo, desde 2008, pode limitar estas ambições, mas, na verdade, o Egito só tem esta via para substituir o maná do Turismo