Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Dilma impopular agarra-se à legitimidade do voto

Dilma impopular agarra-se à legitimidade do voto
Tamanho do texto Aa Aa

O “panelaço” de quinta-feira não assustou Dilma Roussef. A presidente do Brasil reagiu ontem ao protesto afirmando que “ninguém vai tirar a legitimidade que o voto me deu”.

Os dados revelados pelo Datafolha, há dois dias, mostram que Dilma é a presidente mais impopular do país, desde que começaram a ser coligidos estes dados, em 1990. A dirigente do PT regista um nível de rejeição de 71 por cento, um valor superior ao de Collor de Mello antes de ser forçado a demitir-se, em 1992.

O protesto de quinta-feira em várias cidades do país decorreu durante os 10 minutos que durou a alocução da presidente e o spot publicitário que muitos acharam uma provocação.

O politólogo Ricardo Ismael sublinha que Dilma perdeu a sua base de apoio:

“A pesquisa Datafolha mostra que a Dilma perdeu popularidade, não foi apenas com quem votou nela, é com quem votou. E aí é que está o problema. Quando você vai para o Nordeste, e a pesquisa Datafolha mostrou ontem, 67 por centos dos eleitores do Nordeste, entrevistados, querem o impeachment.”

Dilma Roussef foi reeleita há dez meses mas a marcha pela impugnação já está nas ruas. Dia 16 está agendada mais uma manifestação nacional.