EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Londres e Teerão reabrem embaixadas

Londres e Teerão reabrem embaixadas
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Grã-Bretanha reabriu este domingo a sua embaixada em Teerão, a capital iraniana, quase quatro anos depois da invasão do edifício por manifestantes

PUBLICIDADE

A Grã-Bretanha reabriu este domingo a sua embaixada em Teerão, a capital iraniana, quase quatro anos depois da invasão do edifício por manifestantes que protestavam contra as sanções aplicadas ao Irão.

A cerimónia contou com a presença do chefe da diplomacia britânica Philip Hammond, que está em Teerão acompanhado de representantes da petrolífera Shell e outras empresas do setor energético.

A delegação britânica tem encontros em Teerão com o presidente iraniano Hassan Rouhani, o conselheiro do líder Ayatollah Ali Khamenei, Ali Akbar Velayat, o ministro dos Assuntos Estrangeiros, Javad Zarif, e o ministro do Petróleo, Bijan Namdar Zanganeh.

A embaixada britânica foi fechada em novembro de 2011, depois de violentos tumultos, quando manifestantes hostis ao endurecimento das sanções contra o Irão saquearam o edifício.

Em resposta, o primeiro ministro David Cameron expulsou de Londres os membros da representação diplomática iraniana.

Este domingo foi igualmente reaberta em Londres, a embaixada do Irão.

Os países ocidentais, que se encontravam fortemente limitados nas suas relações comerciais com o Irão em consequência das sanções relacionadas com o programa nuclear iraniano, esperam, depois do acordo de 14 de julho, repor rapidamente as relações com Teerão, para entrar num mercado que representa quase 80 milhões de habitantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stonehenge intacto após ato de vandalismo de ativistas pelo clima

Kim Jong-un promete apoio total a Putin na invasão russa da Ucrânia

Kim e Putin encontram-se em Pyongyang para expandir a cooperação económica e militar