A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Calais terá um campo humanitário no início de 2016

Calais terá um campo humanitário no início de 2016
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

De visita a um centro de acolhimento de Calais, onde se encontram bloqueados milhares de migrantes, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, anunciou, esta segunda-feira, a construção de um acampamento humanitário, que só deverá estar concluído no início de 2016.

Terá cerca de 120 tendas e será cofinanciado pela Comissão Europeia, como clarificou o vice-presidente do executivo comunitário, Frans Timmermans, também de passagem pela cidade francesa, juntamente com o comissário para a Imigração, Assuntos Internos e Cidadania, Dimitris Avramopoulos, e com o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve.

“Vamos colocar à disposição das autoridades francesas até cinco milhões de euros suplementares. Estes novos fundos servirão para erguer um acampamento humanitário para cerca de 1500 migrantes, bem como para apoiar o transporte de requerentes de asilo de Calais para outros destinos em França”, sublinhou Timmermans.

A conferência de imprensa foi interrompida pelo protesto de uma manifestante que denunciou falta de solidariedade europeia na gestão da crise migratória.

O périplo por Calais serviu para deixar uma mensagem de apoio, mas os comissários não visitaram a chamada “Selva de Calais”, onde se encontram acampamentos de imigrantes ilegais. Todos sonham com o dia em que conseguem superar os obstáculos e chegar ao Reino Unido. Até lá, sobrevivem.

Sándor Zsíros, euronews: “Na área de Calais conhecida como ‘A Selva’, a situação humanitária é insuportável. As pessoas que aqui se encontram vivem em piores condições do que num campo de refugiados. As autoridades fizeram, efetivamente, uma grande mudança nos últimos meses. Construíram a vedação que impede que os migrantes subam para os camiões.”