Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Desde o início do ano entraram mais de 500 mil migrantes na União Europeia

Desde o início do ano entraram mais de 500 mil migrantes na União Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

Entre janeiro e agosto de 2015, mais de 500 mil migrantes atravessaram as fronteiras exteriores da União Europeia (UE). Os números foram divulgados esta terça-feira pela agência europeia de controlo de fronteiras, Frontex, e prometem fazer multiplicar os apelos à unidade no velho continente.

Sinal da pressão crescente sobre a Europa, no conjunto do ano passado, contabilizaram-se, ao todo, 280 mil migrantes.

Em comunicado, a Frontex alerta, no entanto, para a possibilidade de contagem repetida porque “um grande número de pessoas vistas na fronteira entre a Sérvia e a Hungria já tinham sido recenseadas à chegada à Grécia, provenientes da Turquia, algumas semanas antes”.

O mundo enfrenta a pior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial. Até ao momento, a UE foi incapaz de chegar a um acordo sobre uma estratégia coerente em relação aos próximos passos a dar juntamente com os países divididos.

Se, por um lado, a Alemanha se diz pronta para receber refugiados, por outro, a Hungria reforça as leis anti-imigração. Em entrevista à Euronews, o Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, analisa a atual crise migratória.

James Franey, euronews – Na Hungria ergueu-se uma vedação na fronteira do país com a Sérvia e também estão previstas penalizações para quem atravessar de maneira ilegal a fronteira. As medidas estão em linha com as obrigações internacionais do país?

António Guterres, Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados – Se a Hungria fizesse parte de um sistema, no qual, nos pontos de entrada (Grécia, Hungria e Itália) existissem condições de receção, para prestar assistência, tratar as pessoas com dignidade, efetuar registos, e, com base nisso, os que necessitam de proteção serem recolocados em todos os Estados-membros, então o país beneficiaria muito mais do que tentando adotar medidas isoladas, de forma individual, para proteger a fronteira.

James Franey, euronews – Enquanto antigo primeiro-ministro também compreende que alguns eleitores se perguntem porque é que não se ajuda primeiro a população local, porque é que se está a deixar entrar tantos refugiados?

António Guterres, Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados – Se a migração puder acontecer de forma organizada – sem contrabandistas a interferir e a criar situações dramáticas – é significativa num contexto em que a Europa precisa de migrantes por causa da demografia. Quando falamos de refugiados não falamos de uma opção, falamos de uma obrigação legal. Os países têm direito a definir as próprias políticas migratórias. Têm o direito de dizer que não querem mais migrantes.
Mas se uma família síria, que viu a casa ser bombardeada e elementos da família serem mortos, vier para a Europa, qualquer país europeu tem o dever de garantir proteção.
Até agora estamos a falar de um pouco mais de 400 mil pessoas que vieram para o Mediterrâneo, para a Europa. A União Europeia tem 508 milhões de pessoas. No Líbano, um terço da população são refugiados da Síria e da Palestina. Por isso, está claro que se a Europa estiver junta, se todos os países cooperarem, se todos tiverem uma parte justa, esta é uma crise migratória que se gere perfeitamente. Se continuarmos com o caos e a confusão atuais, é uma tragédia para as pessoas e para a União.