EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Bandeira do Estado Palestiniano hasteada na sede das Nações Unidas

Bandeira do Estado Palestiniano hasteada na sede das Nações Unidas
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É um momento considerado histórico: a bandeira do Estado Palestiniano foi hasteada, pela primeira vez, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque.

PUBLICIDADE

É um momento considerado histórico: a bandeira do Estado Palestiniano foi hasteada, pela primeira vez, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque. A Palestina que é um Estado observador não-membro das Nações Unidas mas que não é reconhecida como um Estado por muitos dos membros da organização.

O presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas discursou esta quarta-feira perante a Assembleia geral da ONU e pediu que seja feito esse reconhecimento. Abbas também ameaçou deixar de respeitar os acordos com Israel se Telavive continuar a rejeitá-los:“enquanto Israel continuar a rejeitar o fim dos colonatos e libertação do quarto grupo de prisioneiros palestinianos, tal como está estabelecido nos acordos, não temos outra opção e não vamos ser os únicos empenhados na implementação desses acordos”. O presidente da Autoridade Palestiniana garantiu ainda que “quem procura a paz e a luta contra o terrorismo deve começar por tentar encontrar uma solução para o conflito palestiniano”.

Este discurso recebeu uma enorme ovação na Assembleia Geral da ONU. Mahmud Abbas lembrou ainda que as tensões em Jerusalém não param de aumentar.

Nas últimas horas, a policia israelita deteve pelo menos oito adultos e cinco menores por perturbação da ordem pública perto da mesquita de Al-Aqsa. Desde que os confrontos religiosos recomeçaram, em meados do mês, já foram presas cerca de 200 pessoas.

Depois dos recentes confrontos, os israelitas limitaram o acesso à mesquita. Agora, só os homens muçulmanos com mais de 50 anos podem entrar, uma medida contestada pelos palestinianos.

A tensão religiosa entre judeus e muçulmanos intensificou-se nos últimos dias, altura de festejos importantes para as duas religiões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah

Estados Unidos vetam projeto para ONU reconhecer Palestina como membro pleno

Guterres condena ataque "inconcebível" que matou trabalhadores humanitários em Gaza