EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Lavrov quer cooperação militar Rússia-EUA na Síria

Lavrov quer cooperação militar Rússia-EUA na Síria
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O "detalhe" Bashar el-Assad é o principal pomo da discórdia entre a Rússia e os EUA sobre a Síria.

PUBLICIDADE

Mesmo com visões diferentes sobre o problema da Síria, os Estados Unidos e a Rússia mostraram-se disponíveis para trabalhar juntos, numa altura em que os aviões russos já bombardeiam várias posições no país, sendo que a natureza destes ataques russos ainda é pouco clara.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo Serguei Lavrov e o secretário de Estado norte-americano John Kerry tiveram um encontro a dois na ONU.

“Concordámos que os militares (russos e norte-americanos) devem entrar em contacto uns com os outros muito em breve. Queremos uma Síria democrática, unida, laica, que possa acolher todos os grupos étnicos e religiosos e onde os direitos são garantidos. Ainda temos diferenças quanto aos detalhes para atingir esse objetivo”, disse Lavrov.

Um “detalhe” chamado Bashar el-Assad, já que a Rússia defende a ajuda ao ditador sírio, ao contrário dos Estados Unidos e outros países, como a França. A pose de Kerry junto a Lavrov foi, aliás, criticada por alguma imprensa norte-americana.

We would have grave concerns should #Russia strike areas where ISIL-affiliated targets are not operating.

— John Kerry (@JohnKerry) September 30, 2015

The US supports any genuine effort to fight ISIL, however we will not be confused in our fight against ISIL with support for Assad.

— John Kerry (@JohnKerry) September 30, 2015

“Dei conta e reiterei as preocupações que exprimi na reunião do Conselho de Segurança da ONU, presidida pela Rússia. Preocupações que têm a ver com os alvos, a natureza desses alvos e a necessidade de clareza. Uma coisa é alvejar o Estado Islâmico, outra coisa é não ser isso que está a acontecer e, nesse caso, ficamos preocupados”, disse o secretário de Estado norte-americano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia atinge alvos civis e não do EI, diz oposição síria

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Estados Unidos anunciam pacote de ajuda militar à Ucrânia de 300 milhões de dólares