Última hora
This content is not available in your region

Uma questão de orgulho para Latvala

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Uma questão de orgulho para Latvala
Tamanho do texto Aa Aa

Com o título mundial já nas mãos de Sébastien Ogier, não está nada em jogo senão o orgulho nas três provas que faltam no Campeonato do Mundo de ralis. Jari-Matti Latvala mostrou todo o seu valor no Rali de França ao conquistar a terceira vitória da temporada.

O finlandês repetiu o triunfo do ano passado na prova francesa, então nas estradas da Alsácia, agora no regresso da Córsega ao mundial de ralis sete anos depois. O mau tempo na região obrigou ao cancelamento de duas especiais mas nem por isso Latvala deixou de seguir prego a fundo.

Ainda para mais, Ogier teve problemas na caixa de velocidades logo no primeiro dia e ficou desde logo afastado da luta pela vitória.

Latvala terminou com uma vantagem de 43,1 segundos sobre Elfyn Evans, que pode não ter festejado a vitória mas garantiu a sua melhor classificação de sempre no mundial de ralis.

O pódio ficou completo com Andreas Mikkelsen, que perdeu terreno para Latvala na luta pelo segundo lugar no mundial de pilotos e está já a 34 pontos do finlandês.

O domínio francês

Didier Auriol dominou com mestria nas estradas da Córsega, onde alcançou seis vitórias. Em 1994 tornou-se no primeiro francês a sagrar-se campeão do mundo de ralis. Aquilo que foi então uma exceção, parece ser hoje a regra.

A hegemonia gaulesa tece início em 2004 com a primeira vitória de Sébastien Loeb no mundial de ralis. O piloto da Citroën veio a bater todos os recordes, até 2012 ninguém lhe conseguiu roubar o título. Sagrou-se por nove vezes consecutivas campeão do mundo e venceu um total de 78 ralis.

Mais do dobro do segundo classificado, o homem que lhe veio suceder na lista de grandes campeões franceses, Sébastien Ogier. Ainda falta muito ao homem da Volkswagen para igualar as proezas do compatriota mas a verdade é que está no bom caminho.

Tem 31 vitórias no mundial de ralis e três títulos mundiais com o seu nome. Aos 31 anos de idade e aparentemente sem rivais à altura no mundial, estes números deverão aumentar nos próximos anos.