EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

EUA: Clinton mantém calma e assume responsabilidade por Bengasi

EUA: Clinton mantém calma e assume responsabilidade por Bengasi
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Hillary Clinton ultrapassou um duro teste perante uma difícil comissão parlamentar inquérito sobre o mortífero atentado contra o consulado dos

PUBLICIDADE

Hillary Clinton ultrapassou um duro teste perante uma difícil comissão parlamentar inquérito sobre o mortífero atentado contra o consulado dos Estados Unidos em Benghazi, na Líbia.

A candidata presidencial democrata manteve a calma durante quase toda a audiência numa comissão controlada pelos repúblicanos.

Na altura Clinton era secretária de Estado. Hoje, diz assumir responsabilidade pelo que aconteceu.

Num momento, Peter Roskam afirmou que “ninguém recomendou fechar, mas teve dois embaixadores que fizeram vários, vários pedidos. E foi isto que aconteceu aos pedidos deles. Foram rasgados!”

Na resposta, Clinton afirmou que “era a chefe de embaixadores em 270 países. Eu era embaixadora em países como o Afeganistão, onde, pouco antes de ter visitado, tinha sido palco de uma assalto dos Talibãs durante horas. Estou bem consciente dos perigos que os nossos diplomatas e os nossos restantes profissionais enfrentam. Nunca houve uma recomendação do embaixador Chris Stevens ou de outra pessoa qualquer em Benghazi”.

Os republicanos afirmam que procuram a “verdade”, já os democratas denunciam uma perseguição contra Clinton, favorita à nomeação presidencial democrata para a corrida à Casa Branca em 2016.

No ataque em 2013, morreram o embaixador norte-americano na Líbia Christopher Stevens e outros três norte-americanos: um funcionário diplomático e dois agentes da CIA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos