Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ahmet Davutoğlu: “vitória da nação"

Ahmet Davutoğlu: “vitória da nação"
Tamanho do texto Aa Aa

Contrariou todas as previsões. Em Konya na região de Anatólia, onde nasceu a 26 de fevereiro de 1959, o conservador Ahmet Davutoğlu falou aos apoiantes com um sorriso nos lábios:

“Hoje é um dia de modéstia, de vitória da nossa nação (…) Esperamos servi-los bem nos próximos quatro anos e apresentar-nos novamente em 2019. Que Deus nos proteja. É tempo de dizer boa noite e de nos encontrarmos com os nossos compatriotas.”

Incapaz de formar uma coligação com a oposição, o governante ou a “marioneta de Erdogan” como lhe chamam os seus detratores, foi forçado uma espécie de segunda volta com uma missão: reconquistar a maioria absoluta.

Menos presente nesta campanha, Erdogan deu mais espaço ao primeiro-ministro, que não falou da reforma presidencialista. A presidência executiva defendida pelo chefe de Estado é vista como uma das razões para os resultados obtidos pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento nas eleições de 07 de junho.

Depois de cinco anos como ministro dos Negócios Estrangeiros, Ahmet Davutoğlu chegou à liderança do AKP em 2014 pelas mãos do presidente Recep Tayyip Erdogan. Juntos partilham a visão da Turquia como uma potência islâmica regional.

Ao recuperar a maioria absoluta, o chefe de Governo reforça a sua posição enquanto líder político e o poder do chefe de Estado. Mas o analista Cengiz Aktar considera que se trata de um presente envenenado.

“Se Erdogan deixa cair o sonho de criar um novo regime, um regime presidencial, sem pesos e contrapesos como vai resolver a questão curda e os problemas económicos? A Turquia está no fim do caminho” afirma.

À espera de respostas por parte do chefe de Governo estão, também, outras questões como a política em relação à Síria e a infiltração de militantes do autodenominado Estado Islâmico na sociedade turca.