EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Do Rio a Londres: os postais ilustrados do aquecimento global

Do Rio a Londres: os postais ilustrados do aquecimento global
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As maiores cidades do mundo poderão estar condenadas ao destino da mítica Atlântida, na viragem do próximo século. A causa desta mudança que poderia

PUBLICIDADE

As maiores cidades do mundo poderão estar condenadas ao destino da mítica Atlântida, na viragem do próximo século.

A causa desta mudança que poderia fazer subir as águas do mar de 6,9 a 10,8 metros, em cidades como o Rio de Janeiro ou Nova Iorque está, no entanto, longe de ser um mistério. Segundo a organização Climate Central o aumento das temperaturas do planeta acima dos quatro graus centígrados deverá submergir áreas em seis continentes onde vivem atualmente entre 470 e 760 milhões de pessoas.

A organização decidiu simular a paisagem das principais cidades mundiais, como o Rio de Janeiro, face ao aumento das temperaturas do planeta em dois graus e quatro graus centígrados.

Os “postais ilustrados”, como o de Londres ou de Bombaim, revelados a poucas semanas antes do início da Conferência sobre o Clima em Paris servem, antes de mais, para ilustrar o desafio da ONU de evitar que as temperaturas do planeta ultrapassem os dois graus centígrados até ao final do século.

Segundo a “Climate Central”, só cortes rápidos e agressivos nas emissões de gases com efeito de estufa poderão evitar que as maiores cidades do planeta, como Durban ou Nova Iorque terminem num apocalíptico percurso subaquático.

A “Climate Central” prossegue a viagem à volta do mundo, desfigurado pelo aquecimento global, ao disponibilizar ainda dezenas de outras simulações em fotografia e vídeo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah