ONU exige cessar-fogo em Gaza durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão

ONU exige cessar-fogo em Gaza durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão
Direitos de autor Abdel Kareem Hana/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A resolução, que surgiu da votação desta segunda-feira de manhã, é apoiada pela Rússia, pela China e pelo Grupo Árabe.

PUBLICIDADE

O Conselho de Segurança das Nações Unidas exigiu pela primeira vez, esta segunda-feira, um cessar-fogo em Gaza durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão. Os Estados Unidos, abastiveram-se desta resolução, que também exigia a libertação de todos os reféns feitos durante o ataque surpresa do Hamas de 7 de outubro no sul de Israel. Mas a medida não associa esse pedido a um cessar-fogo durante o Ramadão, que termina a 9 de abril.

A exigência da ONU surgiu da votação que ocorreu esta segunda-feira de manhã, depois da Rússia e da China terem vetado uma resolução patrocinada pelos Estados Unidos na sexta-feira, que teria apoiado "um cessar-fogo imediato e sustentado" no conflito entre Israel e o Hamas, segundo as agências internacionais. 

Os EUA alertaram para o facto de a resolução aprovada na segunda-feira poder prejudicar as negociações entre os EUA, o Egipto e o Qatar, aumentando a possibilidade de um novo veto, desta vez por parte dos americanos.

A resolução, que exige um "cessar-fogo imediato" durante o mês sagrado muçulmano do Ramadão e que conduz a uma trégua "duradoura", foi aprovada com o voto favorável de todos os outros 14 membros do Conselho de Segurança. Esta é também apoiada pela Rússia, China e pelo Grupo Árabe, composto por 22 países. 

Numa declaração emitida na sexta-feira à noite, o Grupo Árabe apelou aos 15 membros do Conselho para que atuassem “com unidade e urgência" e para que votassem a favor da resolução, de modo a parar o derramamento de sangue, preservar vidas humanas e evitar mais sofrimento humano e destruição".

O Ramadão começou a 10 de março e termina a 9 de abril, o que significa que o pedido de cessar-fogo duraria apenas duas semanas, embora o projeto de resolução diga que a pausa nos combates deveria conduzir "a um cessar-fogo permanente e sustentável".

Desde o início da guerra, o Conselho de Segurança adotou duas resoluções sobre o agravamento da situação humanitária em Gaza, mas nenhuma delas apelou a uma solução de cessar-fogo.

Dois terços dos mais de 32.000 mortos em Gaza são mulheres e crianças

De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, mais de 32.000 palestinianos perderam a vida durante os combates. A agência não faz distinção entre civis e combatentes na sua contagem, mas afirma que as mulheres e as crianças representam dois terços dos mortos.

Gaza enfrenta também uma grave emergência humanitária, com um relatório de uma autoridade internacional para a fome a alertar, a 18 de março, que "a fome é iminente" no norte de Gaza e que a escalada da guerra pode levar metade dos 2,3 milhões de habitantes do território à beira da fome.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UNRWA diz que Israel está a proibir entrada de ajuda humanitária no norte de Gaza

Nações Unidas lançam apelo recorde para angariar 50 mil milhões de euros

Nações Unidas condenam anexação de regiões ucranianas pela Rússia