UNRWA diz que Israel está a proibir entrada de ajuda humanitária no norte de Gaza

Palestinianos procuram por sobreviventes nos escombros de edifícios atingidos por um ataque aéreo israelita em Rafah
Palestinianos procuram por sobreviventes nos escombros de edifícios atingidos por um ataque aéreo israelita em Rafah Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023, The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel não permitirá a entrada de ajuda humanitária da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinianos no norte de Gaza. Philippe Lazzarini acusa Telavive de "obstruir intencionalmente" a entrega de alimentos e medicamentos.

PUBLICIDADE

O chefe da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), Philippe Lazzarini, manifestou "indignação" no domingo com a decisão de Israel de não aprovar mais comboios de ajuda humanitária da UNRWA no norte de Gaza. 

De acordo com Lazzarini, a decisão "faz com que seja intencional obstruir a assistência que salva vidas".

Israel tem sido abertamente hostil em relação à UNRWA desde o início deste ano, após ter acusado vários trabalhadores da agência de estarem intimamente ligados ao Hamas e terem ajudado nos preparativos dos ataques de 7 de outubro contra Israel. Muitos países suspenderam o financiamento da UNRWA depois disso, mas recentemente, no contexto da grave crise humanitária em Gaza, retomaram o financiamento.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, durante uma visita ao Egito, expressou total apoio à UNRWA e a Lazzarini, e assegurou que foram tomadas as medidas necessárias para "detetar qualquer outra possível fonte de infiltração" nos quadros da agência.

Israel está sob pressão contínua em questões humanitárias e militares. No domingo, o presidente francês Emmanuel Macron alertou Israel de que qualquer deslocação forçada de pessoas da cidade de Rafah seria um "crime de guerra". 

Os planos para uma operação terrestre em Rafah também têm sido motivo de fortes críticas por parte dos Estados Unidos, principal aliado de Israel. 

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, negociou com Washington mais ajuda militar. Gallant disse que Israel e os EUA têm uma "necessidade comum" de derrotar o Hamas. Ao mesmo tempo, a Casa Branca admitiu recentemente que "a divisão cresceu" entre os dois aliados ao longo da guerra.

Os esforços diplomáticos também prosseguem. De acordo com a imprensa israelita, as autoridades do país estão prontas para trocar cerca de 800 prisioneiros palestinianos por 40 reféns. É esperada uma resposta do Hamas dentro de três dias. 

É neste contexto que decorrem duas celebrações religiosas na região devastada pela guerra: milhares de cristãos participaram do Domingo de Ramos no Monte das Oliveiras de Jerusalém, enquanto os judeus celebram o Purim, um feriado judaico que lembra uma história bíblica sobre como o povo judeu foi salvo dos planos de um homem de nome Haman, principal conselheiro do rei persa, que desejava assassinar todos os judeus na Antiga Pérsia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Gaza: cerco ao hospital al-Shifa. Prosseguem as negociações de libertação de reféns no Qatar

Netanyahu avisa Blinken de que entrarão em Rafah mesmo sem apoio dos EUA

EUA vão apresentar projeto de resolução de cessar-fogo ao Conselho de Segurança da ONU