Última hora

Última hora

Onda de destruição deixada pelo EI em Sinjar

Em leitura:

Onda de destruição deixada pelo EI em Sinjar

Onda de destruição deixada pelo EI em Sinjar
Tamanho do texto Aa Aa

São imagens de destruição captadas em Sinjar, no Iraque, cidade controlada agora pelas forças curdas. A localidade, situada no noroeste do país tinha sido invadida, em agosto do ano passado, por militantes do grupo estado islâmico. A população de Sinjar e das aldeias circundantes – lar de cerca de 200.000 pessoas, principalmente curdos, entre eles yazidis – foi na altura expulsa:

“É assustador. Como Sinjar era e como está agora. Está em ruínas. Pior do que em Kobani”, desabafa um dos homens que luta pelas forças pechmerga.

A cidade está, praticamente, vazia, os apoiantes e jihadistas do ISIL, abandonaram-na. São os curdos que se preparam para recomeçar:

“Quem não magoou outras pessoas, não cooperou com o Daesh pode regressar. Não temos qualquer problema com eles. Mas terão de viver sob a bandeira do Curdistão e fazer parte da região curda”, diz o comandante yazidi, Qassem Shesho.

Este mesmo comandante diz que 5000 Yazidis foram mortos, outros 5000 feitos prisioneiros e que as mulheres foram vendidas nos mercados como se fossem ovelhas.

Após a intensificação dos ataques aéreos franceses e russos. o grupo estado islâmico, estará agora a fugir de Raqqa, na Síria, para Mossul, no Iraque.