EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

As dificuldades para criar coligação internacional contra o grupo Estado Islâmico

As dificuldades para criar coligação internacional contra o grupo Estado Islâmico
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A maratona diplomática de François Hollande começou com o encontro com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, no Eliseu, na segunda-feira.

PUBLICIDADE

A maratona diplomática de François Hollande começou com o encontro com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, no Eliseu, na segunda-feira. O objetivo é “fortalecer as vias diplomáticas, militares e políticas na luta contra o autoproclamado Estado Islâmico”.

No terreno, há mais de um ano que a coligação internacional efetua raides aéreos contra posições do grupo Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Sem grandes resultados.

A coligação inclui os Estados Unidos e 12 países, entre eles França e a Turquia.

Mas o grande desafio é associar a Rússia a esta coligação.

A colaboração com Moscovo foi reclamada por François Hollande quatro dias depois dos atentados em Paris.

Vladimir Putin mostrava-se favorável. A 17 de novembro, o presidente russo disse aos militares: “Precisamos de estabelecer contactos diretos com os franceses e trabalhar com eles como aliados”.

Para já, russos, franceses e norte-americanos coordenam-se para evitar incidentes no espaço aéreo da Síria.

Os ataques russos começaram há dois meses, mas o grupo Estado Islâmico não era o alvo principal. Os raides ajudavam o avanço das tropas de Bashar al-Assad face aos rebeldes.

A queda do avião russo no Sinai, reivindicada pelo Estado Islâmico, alterou a estratégia.

A Rússia aproxima-se do Irão, o único aliado regional. Esta terça-feira, Vladimir Putin e Hassan Rohani reiteraram a vontade de intensificar a cooperação.

A 15 de novembro, o encontro face a face entre Obama e Putin, à margem do G20, foi visto como um sinal de reaproximação entre os dois países. Mas em Washington poucos acreditam numa verdadeira reconciliação.

William Taylor, vice-presidente do Instituto norte-americano para a Paz, defende: “Os russos ainda não fazem parte da solução na Síria, uma vez que continuam a apoiar Bashar al-Assad. Vão continuar a piorar a situação dos refugiados e vão continuar a prejudicar o esforço para combater o Estado Islâmico.”

O abate de um avião russo pela Turquia, esta terça-feira (24 de novembro), pode ser um entrave à formação de uma coligação internacional, mas os analistas vão mais longe: é necessária uma solução política para a Síria.

A guerra, iniciada em 2011, já fez centenas de milhares de mortos e milhões de refugiados.

A reunião em Viena, em meados de novembro, permitiu delinear os contornos de um eventual acordo, mas os países participantes não se entenderam sobre o futuro do presidente Bashar al-Assad.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo em zona controlada pelos rebeldes sírios mata dois civis

Ataque aéreo russo no noroeste da Síria faz pelo menos oito mortos

Ataque aéreo provoca várias vítimas mortais num mercado no noroeste da Síria