This content is not available in your region

Estado Islâmico reivindica morte de jornalista sírio

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira  com Lusa
euronews_icons_loading
Estado Islâmico reivindica morte de jornalista sírio

Foi no meio de muita emoção que o o jornalista sírio Naji el Jerf foi enterrado na cidade de Gaziantep, na Turquia, onde foi assassinado no sábado, alegadamente pelo grupo armado Estado Islâmico.

Naji el Jerf tinha realizado um documentário sobre as atividades deste grupo radical e era também um opositor do regime de Bashar el-Assad: “Ele morreu porque se interessava pelas causas do povo sírio. Era um verdadeiro patriota. O que lhe interessava não era a identidade de quem o matou, mas a identidade do país. A profissão era algo muito importante para ele, por isso os adoradores da morte, como o Daesh, mataram-no”, diz um familiar presente no funeral.

O documentário “EI em Alepo”, realizado por el Jerf para a cadeia internacional Al Arabiya News, foi visto mais de 12 milhões de vezes na Internet.

O autointitulado Estado Islâmico reivindicou o assassínio do jornalista, através das redes sociais. A polícia turca anunciou que lançou uma caça aos assassinos.