Última hora

Última hora

Execução de clérigo xiita incendeia ânimos no Médio Oriente

Em leitura:

Execução de clérigo xiita incendeia ânimos no Médio Oriente

Execução de clérigo xiita incendeia ânimos no Médio Oriente
Tamanho do texto Aa Aa

Do Líbano ao Bahrein passando pelo Iémen, os protestos de repúdio contra a execução de Nimr al-Nimr estendem-se a todo o Médio Oriente. Teerão e Riade estão de costas voltadas e a execução do clérigo xiita e opositor do regime saudita ameaça não só intensificar as tensões sectárias na região como aprofundar as divisões entre sunitas e xiitas.

A minoria xiita representa cerca de 10% dos muçulmanos. O Irão conta com a maior população xiita que predomina, ainda, em países como Iraque e Bahrein. A população xiita tem, também, um peso significativo no Kuwait, Iémen, Líbano e Qatar.

Crítico da dinastia que governa a Arábia Saudita, o clérigo xiita Nimr al-Nimr era um adepto da não-violência.

A execução daquele que era considerado um dos rostos dos protestos da Primavera Árabe no país é vista como uma mudança de estratégia de Riade em relação aos críticos e à influência do Irão na região.

Países como a Arábia Saudita, o Egito, Jordânia e os Emirados Árabes Unidos têm em comum o facto de serem sunitas e de terem integrado a coligação árabe para travar o avanço dos rebeldes hutis no Iémen, formalizada em março de 2015.

Sendo o aliado árabe mais próximo dos Estados Unidos no Médio Oriente, a Arábia Saudita tem recebido ajuda militar e, ao mesmo tempo, influenciado o rumo da política externa.

Em 2015, o acordo nuclear iraniano mudou, no entanto, o equilíbrio de poderes.

Os sauditas mostraram-se inquietos e preocupados com a possibilidade de Teerão utilizar o que consideraram ser uma “oportunidade” para apoiar grupos rebeldes xiitas na região e, desta forma, desestabilizar os governos sunitas. Desde logo, com fornecimento de armas.

O Irão já está apoiar as milícias xiitas no Iraque; o Presidente sírio, Bashar al Assad, na Síria e
e rebeldes hutis no Iémen. A situação neste país tornou-se, aliás, o exemplo mais próximo de uma guerra de poderes entre sauditas e iranianos.

Já a Arábia Unido lidera uma coligação militar destinada a derrotar os rebeldes xiitas – apoiados por Teerão – e que ameaçam derrubar o governo.

Na Síria, a Arábia Saudita, juntamente com os Estados Unidos e Turquia apoiam os grupos rebeldes sunitas que contestam o regime de Bashar Al-Assad. Mas o país é, também, acusado de apoiar secretamente os radicais do Estado Islâmico.

A execução do clérigo xiita promete, por isso, extremar posições neste tabuleiro de xadrez.