EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Egito: Parlamento regressa à atividade após 3 anos de suspensão

Egito: Parlamento regressa à atividade após 3 anos de suspensão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de mais de três anos sem parlamento, o Egito assistiu este domingo à tomada de posse de um novo hemiciclo totalmente dominado pelo presidente

PUBLICIDADE

Depois de mais de três anos sem parlamento, o Egito assistiu este domingo à tomada de posse de um novo hemiciclo totalmente dominado pelo presidente Abdel Fattah al-Sisi.

Na primeira sessão desde a suspensão do órgão de soberania pela justiça, após a vitória dos islamitas em 2012, os 596 deputados elegeram um novo presidente do parlamento.

Ali Abdelallal, um advogado próximo de al-Sisi e um dos autores da Constituição do país, foi encarregue de transformar em leis os mais de 200 decretos emitidos pelo presidente desde a sua subida ao poder em 2013.

Para um dos membros do parlamento, Talat Khalil Omar:

“As nossas prioridades passam por encontrar um mecanismo que atraía investimentos e reduza o défice do orçamento público e que crie novas leis em acordo com a Constituição de 2014”.

Outro deputado, Khaled Yousef, afirma:

“Não haverá qualquer desenvolvimento sem justiça social neste país, especialmente quando 50 milhões de egípcios continuam a viver na pobreza e não conseguiram ver reconhecidos os seus direitos nos últimos 30 anos. É por isso que a nossa prioridade passa pela justiça social”.

O novo parlamento foi eleito no sufrágio de outubro e novembro com uma das participações mais baixas de sempre, cerca de 28%.

Entre as figuras presentes no hemiciclo encontram-se várias personalidades próximas do antigo presidente Osni Mubarak.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Giorgia Meloni visita Egito para conter imigração ilegal

Egito abriu três dias de votos nas Presidenciais que devem sorrir a Al-Sissi

Von der Leyen opõe-se a "deslocação forçada" de palestinianos