EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Assange: Decisão da ONU é "vinculativa"

Assange: Decisão da ONU é "vinculativa"
Direitos de autor 
De  Euronews com reuters, efe, afp, lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Julian Assange apelou ao Reino Unido e à Suécia a "aplicarem a decisão" da comissão de trabalho das Nações Unidas, que considerou que o fundador do Wikileaks foi "arbitrariamente detido" e deve ser li

PUBLICIDADE

Julian Assange apelou ao Reino Unido e à Suécia para “aplicarem a decisão” da comissão de trabalho das Nações Unidas, que considerou que o fundador do Wikileaks foi “arbitrariamente detido” e deve ser libertado com direito a pedir uma indemnização. Uma decisão que é vinculativa, declarou Assange, que surgiu em direto, a partir da embaixada do Equador, numa conferência de imprensa dada pelos seus advogados, em Londres.

Assange também afirma que a resposta do governo britânico, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a classificar de “ridículas” as conclusões do grupo de trabalho são um “insulto às Nações Unidas”. São “comentários que não ficam bem” a um responsável diplomático de um país numa situação como esta, acrescentou o fundador da WikiLeaks.

Assange está na embaixada do Equador em Londres desde 2012, quando este país lhe concedeu asilo após um longo processo legal no Reino Unido, que terminou com a decisão de o entregar às autoridades suecas para responder a alegações de abuso sexual.

O fundador da WikiLeaks recusa ir para a Suécia pois teme ser extraditado para os Estado Unidos onde é procurado pela divulgação, em 2010, de comunicações diplomáticas e documentos secretos sobre o Iraque e o Afeganistão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

WikiLeaks: ONU declara que detenção de Julian Assange é "arbitrária"

Tribunal de Londres decide que Assange pode recorrer da ordem de extradição para os EUA

Guterres condena ataque "inconcebível" que matou trabalhadores humanitários em Gaza