EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidencias dos EUA: George W. Bush não resiste à "chamada" de Trump e entra na campanha

Presidencias dos EUA: George W. Bush não resiste à "chamada" de Trump e entra na campanha
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A corrida Republicana à Casa Branca teve um episódio intenso no domingo à noite, quando Donald Trump decidiu “atacar” o rival Jeb Bush através do

PUBLICIDADE

A corrida Republicana à Casa Branca teve um episódio intenso no domingo à noite, quando Donald Trump decidiu “atacar” o rival Jeb Bush através do irmão e ex-Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. O antigo chefe de Estado não resistiu à evocação e esta segunda-feira, na Carolina do sul, decidiu começar a apoiar diretamente a campanha de Jeb.

“Parece que há muitos insultos a ser proferidos”, atirou George W. Bush, no palanque do comício de campanha do irmão, acrescentando uma citação do pai de ambos, George H. W. Bush, também um antigo Presidente dos EUA: “os rótulos são para as latas de sopa”. Seguiram-se, muitas palmas.

Great honor to have former President George W. Bush and First Lady Laura Bush in SC today. #allin4jebpic.twitter.com/R2Whgf28e1

— Lindsey Graham (@LindseyGrahamSC) 15 fevereiro 2016

“A presidência é um trabalho sério. Requer bom senso e boas ideias. Não tenho qualquer dúvida de que Jeb Bush tem a experiência e o caráter para ser um grande presidente”, defendeu o último Presidente Republicano dos Estados Unidos e antecessor do Democrata Barack Obama na Casa Branca.

No domingo, Donald Trump relacionou George W. Bush com o “11 de setembro” e considerou que a decisão deste de invadir o Iraque “foi um enorme erro”. O ataque, afinal, pode vir a representar um importante trunfo para Jeb Bush, na Carolina do Sul, depois do 4.° lugar averbado no “caucus” de New Hampshire.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos