Alemanha pouco à-vontade com venda recorde de armas

Alemanha pouco à-vontade com venda recorde de armas
De  Dulce Dias com AFP, Reuters, DW
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As exportações de armamento alemão duplicaram, em 2015, face ao ano anterior, e atingiram os 8 mil milhões de euros - em contradição com a vontade de Berlim de uma política de venda de armas mais "res

PUBLICIDADE

As exportações de armamento alemão duplicaram, em 2015, face ao ano anterior, e atingiram os 8 mil milhões de euros.

O atual governo está pouco à-vontade com este recorde, já que Berlim queria uma política de venda de armas mais “restritiva”.

Germany’s arms exports at 7.5 billion Euros despite promises to restrict sales #Germany#weaponshttps://t.co/9S3EUKhe2v

— Naomi Conrad (@NaomiConrad) February 19, 2016

Quando chegou ao governo, em 2013, Sigmar Gabriel, o vice-chanceler social-democrata e ministro da Economia, anunciou querer pôr fim a práticas “laxistas” que conduzem a exportações de armas para regimes autoritários.

#Rüstungsexporte 2015, jetzt inkl. Sammelausfuhrgenehmigungen (via jan_vanaken</a>): <a href="https://t.co/klhCKkCNkD">pic.twitter.com/klhCKkCNkD</a></p>&mdash; Marcel Pauly (marcelpauly) 19 Février 2016

Mas estas vendas, sobretudo a dos tanques Leopard ao Qatar, resultam de contratos assinados pelo anterior governo.

“Verificámos se era possível voltar atrás na lei sobre o comércio externo de armas. Mas apercebemo-nos de que era impossível fazê-lo sem o acordo dos ministros do antigo governo, que levaram à aprovação da lei sobre o controlo de armas”, admitiu o vice-chanceler.

Relativamente à venda de navios de patrulha à Arábia Saudita, que apoia o Iémen, o ministro social-democrata da grande coligação afirmou que nada está decidido ainda e que o negócio vai ser rediscutido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centro de Colónia parcialmente evacuado devido a bomba da II Guerra Mundial

Pelo menos cinco mortos em acidente de autocarro na Alemanha

Robert Habeck, vice-chanceler da Alemanha: A Europa deve afirmar-se e ser capaz de defender-se