EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Governo polaco desafia sentença do Tribunal Constitucional como "ilegal"

Governo polaco desafia sentença do Tribunal Constitucional como "ilegal"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Tribunal Constitucional polaco junta-se às vozes críticas contra as reformas na justiça do novo governo ultraconservador. Os juízes consideraram

PUBLICIDADE

O Tribunal Constitucional polaco junta-se às vozes críticas contra as reformas na justiça do novo governo ultraconservador.

Os juízes consideraram ontem que a alteração das regras do tribunal, aprovadas no parlamento em Dezembro, são não só inconstitucionais, como violam as “regras do Estado de Direito”.

Em causa estão as medidas que determinam a prioridade dos casos a tratar e diminuem de uma maioria de dois terços para uma maioria simples a aprovação das sentenças.

Os juízes denunciaram o que consideram ser uma interferência política nas decisões do tribunal.

O ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro, rejeita aceitar a sentença:

“A minha posição é a seguinte: esta decisão vem de um grupo de juízes que não agiu de acordo com a lei e dentro da lei, agindo de forma ilegal. O veredito não respeita a legalidade e não é obrigatório quando considera que violámos a Constituição”.

Centenas de militantes do movimento de Defesa da Democracia manifestaram-se na quarta-feira frente à sede do Tribunal para apoiar o veredito.

O braço de ferro entre governo e a justiça ocorre na véspera da Comissão de Veneza do Conselho da Europa se pronunciar sobre a constitucionalidade das medidas do governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia

Líderes polaco e lituano supervisionam exercícios militares ao longo da fronteira