Exclusivo: Diretora-geral da UNESCO quer punições severas para quem destrói monumentos

Exclusivo: Diretora-geral da UNESCO quer punições severas para quem destrói monumentos
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Rita del Prete
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A diretora-geral da UNESCO falou em exclusivo com a euronews no Dubai e defendeu que não deve ser permitida a impunidade àqueles que atentam contra a

PUBLICIDADE

A diretora-geral da UNESCO falou em exclusivo com a euronews no Dubai e defendeu que não deve ser permitida a impunidade àqueles que atentam contra a herança cultural da humanidade. A búlgara Irina Bukova, de 63 anos, referia-se nomeadamente aos extremistas islâmicos que têm vindo a destruir diversos monumentos um pouco por todo o mundo.

The #CulturalHeritage Task Force is a symbol of one humanity and a more unified world. #unite4heritagepic.twitter.com/werwsDRKPZ

— Irina Bokova (@IrinaBokova) 16 de fevereiro de 2016

“Penso que não devemos permitir a impunidade daqueles que destroem a nossa herança. Se recordar o que se passou no Mali, quando os extremistas destruíram o mausoléu em Timbuktu, nós não só reconstruímos aquele mausoléu e eu mesma estive, a 14 de julho, na inauguração do mausoléu reconstruído, como também trabalhámos com o Tribunal Penal Internacional. Com a Procuradora Fatou Bensouda exigi que fossem levados à justiça esses criminosos”, contou-nos Iryna Bukova, acrescentando: “O primeiro suspeito já está em Haia e eu sei que o processo penal já começou.”

The Pope announced the Global Teacher Prize Winner Hanan_Hroub</a> <a href="https://twitter.com/Pontifex">Pontifex#TeachersMatterhttps://t.co/TH2I4oy4ghpic.twitter.com/1nzRPgoKjI

— Global Teacher Prize (@TeacherPrize) 14 de março de 2016

Iryna Bukova esteve no Dubai para assistir ao IV Fórum Global da Educação, onde este ano coube ao Papa Francisco anunciar a distinção da palestiniana Hanan Al Hroub como “a melhor professora do Mundo”. Através de um vídeo, o Sumo Pontífice considerou os professores como “artesãos da humanidade, construtores da paz e do encontro.”

Francisco enalteceu Hanan Al Hroub pela importância que esta palestiniana que passou a infância num campo de refugiados e atualmente dá aulas a crianças traumatizadas pela violência. A professora agradeceu.

“Os professores podem mudar o mundo. Estou orgulhosa de ser uma professora, mulher e palestiniana, aqui neste palco”, afirmou Al Hroub, após receber o prémio, que inclui uma verba em dinheiro de quase 900 mil euros. A professora prometeu usar o dinheiro para ajudar os seus alunos.

“We can change the world” 2016 Global Teacher Prize winner hanan_hroub</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/TeachersMatter?src=hash">#TeachersMatter</a> <a href="https://t.co/zOzzAj0hum">pic.twitter.com/zOzzAj0hum</a></p>&mdash; Global Teacher Prize (TeacherPrize) 13 de março de 2016

A corresponde da euronews nos Emirados Árabes Unidos, Rita Del Prete, assistiu a um Fórum onde também se abordou outro dos problemas atuais da humanidade: “No Fórum da Educação falou-se também do drama dos refugiados e de como podemos evitar que as novas gerações de jovens migrantes sejam abandonadas à sua sorte. A educação — pudemos ouvir — é a principal ferramenta para combater o extremismo e a radicalização.”

Congratulations hanan_hroub</a>, winner of the 2016 Global <a href="https://twitter.com/TeacherPrize">TeacherPrize,an educator for #peace! #TeachersMatter#GESFpic.twitter.com/nhR1rUpqFI

— Irina Bokova (@IrinaBokova) 13 de março de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Descoberto salão de banquetes em Pompeia

Van Gogh em Bruxelas

Britânicos alarmados com possível escassez de chá