EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

ONU revela 108 novos casos de abusos sexuais na República Centro-Africana

ONU revela 108 novos casos de abusos sexuais na República Centro-Africana
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As Nações Unidas revelam a dimensão dos abusos sexuais a menores por parte de capacetes azuis, ao anunciarem 108 novos casos na República

PUBLICIDADE

As Nações Unidas revelam a dimensão dos abusos sexuais a menores por parte de capacetes azuis, ao anunciarem 108 novos casos na República Centroafricana (RAC).

As alegações que tinham sido já avançadas por organizações humanitárias locais referem-se a crimes levados a cabo por militares de França, Burundi e Gabão entre 2013 e 2015.

Três raparigas afirmam ter sido forçadas a ter relações sexuais com animais, em troca do pagamento de seis euros, uma alegação que ainda não foi confirmada pela ONU.

Para o porta-voz da organização, Stephane Dujarric, “as intervenções da comunidade internacional ajudaram a salvar a República Centro Africana de um destino terrível. No entanto temos que fazer face ao facto de que um número de tropas enviadas para proteger a população agiu, no entanto, com más intenções. Foram crimes praticados em silêncio. É por isso que o Secretário-Geral está a investigar estas horrendas, depravadas e perturbantes alegações”.

Paris prometeu já investigar o sucedido, depois da ONU ter demitido o chefe da missão de paz na República Centro Africana.

O Conselho de Segurança tinha aprovado em março uma resolução que prevê o repatriamento dos contingentes suspeitos de abusos sexuais.

A ONU afirma ter recebido, no ano passado, 99 denúncias contra os seus funcionários, 69 das quais visam capacetes azuis mobilizados em 21 países distintos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah