EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia boicota cimeira sobre segurança nuclear em Washington

Rússia boicota cimeira sobre segurança nuclear em Washington
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Barack Obama presidiu, em Washington, a última cimeira sobre a segurança nuclear do seu mandato, sem a Rússia sentada à mesa das negociações

PUBLICIDADE

Barack Obama presidiu, em Washington, a última cimeira sobre a segurança nuclear do seu mandato, sem a Rússia sentada à mesa das negociações.

Moscovo evocou a falta de cooperação na elaboração da agenda para justificar a ausência da terceira reunião bianual criada pelo presidente norte-americano, em 2010, sob o signo da não proliferação nuclear.

Atualmente, nove países do mundo concentram mais de 15 mil armas nucleares – EUA, Rússia, Reino Unido, França, China, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte – mas 90% deste arsenal está concentrado nas mãos de Washington e Moscovo.

Depois do acordo recentemente assinado com o Irão, os debates dos líderes de mais de 50 países centraram-se na ameaça do arsenal norte-coreano, com o reforço da cooperação entre EUA, Japão e Coreia do Sul.

O terrorismo nuclear foi outro dos temas em cima da mesa.

“Em muitos países a posse de material nuclear para venda não é um crime. É por isso que queremos reforçar as nossas capacidades não na localização do contrabando deste material, como em encontrar e punir os traficantes de materiais nucleares”, afirmou a sub secretária para o controlo de armamento dos EUA, Rose Gottemoeller.

Mais de uma semana após os atentados de Bruxelas, vários países europeus, como a França, evocaram a necessidade de impedir que o grupo Estado Islâmico possa adquirir materiais nucleares. Uma ameaça que continua a pairar no horizonte, segundo os analistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Câmara dos Representantes aprova prolongamento orçamental

Joe Biden recebe Ursula von der Leyen e Charles Michel na Casa Branca

EUA: líder dos Proud Boys condenado a 17 anos de prisão