Última hora
This content is not available in your region

Futebol não escapa aos 'Panama Papers'

Access to the comments Comentários
De  Marco Lemos com expresso, guardian, icij, reuters, efe, afp, lusa
euronews_icons_loading
Futebol não escapa aos 'Panama Papers'
Tamanho do texto Aa Aa

Sem surpresa, o mundo do futebol não escapa ao escândalo ‘Panama Papers’, a investigação jornalística que começou a revelar um gigantesco esquema de lavagem de dinheiro e fraude fiscal através de sociedades ‘offshore’.

“É “o maior crime de sempre”, escreve Pedro Santos Guerreiro, diretor do Expresso”:http://expresso.sapo.pt/blogues/blogue_no_proprio_dia/2016-04-03-O-maior-crime-de-sempre, um dos meios de comunicação social que participa no trabalho conjunto do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação

Lionel Messi, um dos melhores futebolistas da atualidade, continua a ser investigado em Espanha por fuga ao fisco e até já pagou 10 milhões de euros de impostos em atraso. Agora, o astro argentino e o pai terão de explicar as suas relações com uma empresa de fachada criada no Panamá, a Mega Star Enterprises Inc.. Para já, a família Messi negou tudo.

Para já, Messi decidiu processar a imprensa

Michel Platini já disse ter a sua situação tributária regularizada na Suíça, onde estabeleceu residência fiscal em 2007, o mesmo ano em que foi criada a Balney Entreprises Corporation, que tem o presidente suspenso da UEFA como único administrador.

Figuras já ligadas aos casos de corrupção no seio da FIFA também vão ter agora que explicar as suas ligações a empresas obscuras criadas pela sociedade de advogados panamiana Mossack Fonseca. É o caso de Juan Pedro Damiani – membro da comissão de Ética da FIFA e presidente do Peñarol- cujo escritório de advogados tinha negócios com três personalidades indiciadas no escândalo que levou à queda de Sepp Blatter.