EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Menos refugiados, muita burocracia para as autoridades gregas

Menos refugiados, muita burocracia para as autoridades gregas
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O número de refugiados que chega às ilhas gregas começa a diminuir, até porque a Turquia está a intercetá-los, ao largo da sua costa, como aconteceu

PUBLICIDADE

O número de refugiados que chega às ilhas gregas começa a diminuir, até porque a Turquia está a intercetá-los, ao largo da sua costa, como aconteceu esta quarta-feira de manhã. A deportação de refugiados – que não são vistos como casos prioritários, ou não correspondem aos critérios definidos pela União Europeia – para a Turquia está suspensa até sexta-feira. A situação de muitos é complexa:

“Pedi o passaporte no Líbano. Sou palestiniano e não tenho direito de viver lá com dignidade ou trabalhar. Conhece a crise dos palestinianos no Líbano? Não temos um país, nem um território”, desabafa Khodor Hosary.

A integração dos palestinianos é uma questão muito delicada no Líbano.

Lesbos é uma das portas para os refugiados que querem ficar na Europa. Em Quios muitos esperam o ferry que os levará ao porto de Pireu, em Atenas. Por temerem a deportação antes de chegarem à capital grega, onde esperam pedir asilo, evitam os campos de refugiados e dormem ao relento.

“Se formos deportados é o fim dos sonhos. Chegar até aqui custou-nos muito dinheiro”, diz Abdul Wahid Dar, paquistanês.

Dinheiro pago aos traficantes que os ajudaram a chegar até aqui.

E mesmo uma Organização Não Governamental incita os refugiados a não se dirigiram a estes centros por terem direito a pedir asilo e para evitarem a deportação.

“Eles mandaram dois homens de volta e eles suicidaram-se. Puseram uma corda à volta do pescoço e enforcaram-se. É que se regressarmos não temos como viver. Há pessoas que tiveram de vender as casas e se forem mandadas de volta vão morrer, o que é que elas podem fazer?” – Perguntas sem resposta, de um refugiado paquistanês de 22 anos, no momento em que as autoridades gregas se veem a braços com um elevado número de pedidos de asilo que têm de tratar para decidir quem fica e quem vê chegar o fim do sonho europeu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deportações não fazem refugiados desistir do sonho europeu

Turquia: Protesto contra refugiados oriundos da Grécia

O que acontece agora com o acordo EU-Turquia sobre refugiados?