EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Morte de Giulio Regeni: Itália exige a verdade, Egito sacode responsabilidades

Morte de Giulio Regeni: Itália exige a verdade, Egito sacode responsabilidades
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com LA REPUBBLICA, ANSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Egito acusou esta quarta-feira, no Cairo, os meios de comunicação de terem tornado num problema polémico o caso em torno da morte do

PUBLICIDADE

O presidente do Egito acusou esta quarta-feira, no Cairo, os meios de comunicação de terem tornado num problema polémico o caso em torno da morte do estudante italiano Giulio Regeni. Abdel Fatah al-Sisi nega o envolvimento dos serviços de segurança egípcios, sugerido por alguns meios de comunicação.

O líder egípcio assume preocupação em manter inquebráveis as relações diplomáticas entre ambos os países. “Este caso é de grande importância para nós, egípcios, porque temos uma relação especial com os italianos. Os líderes italianos foram os primeiros a colocar-se ao nosso lado após a revolução de 30 de junho”, afirmou Al-Sisi.

Al Sisi difende i servizi egiziani: “Non hanno ucciso #Regeni#Egittohttps://t.co/16LFXoj1Aipic.twitter.com/jMBOgWtTXz

— Agenzia ANSA (@Agenzia_Ansa) 13 de abril de 2016

O presidente do Egito considerou ter sido “gente malvada” a cometer o assassínio, acrescentando serem estes assassinos pessoas que querem deliberadamente prejudicar o país a nível internacional.

De visita à Colômbia, o presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado italiano gostou de ouvir o presidente egípcio. Pier Casini espera, no entanto, que às palavras Al-Sisi junte mais ação e faça mais pela investigação à morte de Giulio Regeni.

Em Roma, esteve, entretanto, Naguib Sawiris. O empresário egípcio ligado à comunicação social e líder do partido Egípcios Livres foi convidado por vários meios de comunicação italianos a pronunciar-se sobre o caso. O magnata revelou insatisfação face à atuação das autoridades egípcias e colocou-se do lado da Itália.

“A verdade tem de ser revelada. Não aceitamos o facto de que a verdade ainda não tenha vindo à tona e por isso entendemos que a exigência italiana pela verdade é 100 por cento justa”, defendeu Sawiris.

Regeni assassinado com sinais de tortura

Giulio Regeni, de 28 anos, desapareceu a 25 de janeiro. O cadáver apareceria nove dias depois, com sinais de tortura. Alguns meios de comunicação social sugeriram o envolvimento dos serviços de segurança egípcios na morte do jovem, que se tinha deslocado ao Cairo para realizar um estudo sobre sindicatos independentes no Egito. Na semana passada, a Itália chamou a Roma o respetivo embaixador no Cairo para aprofundar o andamento da investigação à morte de Regeni. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paolo Gentile, queria saber também os motivos pelos quais as autoridades egípcias não teriam fornecido informações consideradas importantes sobre a investigação.

Caso #Regeni, fallito l'incontro con #Egitto. L'Italia sospende la collaborazione e richiama ambasciatore al Cairo https://t.co/WP2dcrfcV5

— la Repubblica (@repubblicait) 8 de abril de 2016

Mauricio Massari voltou à capital egípcia incumbido de colocar mais pressão sobre as autoridades locais responsáveis pelo caso, reforçado pelo apelo do Reino Unido ao Egito pela realização de uma “investigação completa e transparente” ao assassínio.

Massari, entretanto, estará de regresso a Roma e outras medidas mais duras de pressão sobre o Egito estarão em cima da mesa de Paolo Gentile, mas por enquanto apenas para reflexão. A máquina judicial italiana, por fim, continua a trabalhar no caso e um novo pedido da Procuradoria de Roma deverá seguir ainda esta semana para o Cairo, solicitando registos considerados essenciais no apuramento da verdade sobre este crime.

Na próxima sexta-feira e sábado, Giulio Regeni será alvo de uma homenagem especial durante os Encontros pela Paz, em Assis. Cerca de 5 mil pessoas, entre estudantes e professores, oriundos de 19 regiões e 90 cidades italianas, irão homenagear a memória do jovem italiano assassinado no Cairo. Também o cameponato italiano de futebol prepara uma homenmagem especial a Regeni para o próximo fim de semana.

Italian soccer to campaign for Regeni: Banners to be raised in Serie A, B https://t.co/AwV53nrptL

— Ansa English News (@ansa_english) 13 de abril de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arranca novo julgamento dos quatro egípcios acusados de matar estudante italiano Giulio Regeni

Câmara de Itália rejeita moção de desconfiança contra Matteo Salvini e Daniela Santanchè

Elon Musk convidado para a festa de fantasia de Giorgia Meloni