EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Salah Abdeslam julgado em França e pronto a falar

Salah Abdeslam julgado em França e pronto a falar
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O inimigo público número um na Europa, Salah Abdeslam, único sobrevivente dos autores dos atentados de novembro 2015 em Paris, vai enfrentar a

PUBLICIDADE

O inimigo público número um na Europa, Salah Abdeslam, único sobrevivente dos autores dos atentados de novembro 2015 em Paris, vai enfrentar a justiça do seu país de origem, a França. Este francês de 27 anos, que viveu toda a vida na Bélgica, deseja explicar os seus atos e ser julgado em França e, segundo o seu advogado belga, Sven Mary, aceitou a extradição, após ter resistido.

- “Ele quer partir para França, o mais depressa possível”. – “Porque é que mudou de atitude?” – “Penso que é porque na Bélgica só existe uma pequena parte do processo e ele quer explicar os seus atos em França e isso é bom”, comentou com os jornalistas.

Em França, Abdeslam conta com a colaboração na defesa de um peso pesado da advocacia, Franck Berton. Em conjunto com o advogado belga, este cinquentão muito mediatizado pelos casos que tem defendido, vai tentar defender o indefensável.

“Encontrei um rapaz debilitado, que quer falar e penso que isso é importante porque a justiça precisa de saber, as famílias das vítimas precisam de saber e ele quer fazer isso. Foi o que percebi da conversa que tivémos, uma conversa de mais de duas horas”, disse Breton, no seu primeiro comentário sobre o caso.

O que terá Salah Abdeslam a dizer e, sobretudo, porque quer fazê-lo em França? Como irá construir a defesa, este jovem que levou uma vida dita normal até 2011 e que, de repente, se radicalizou e participou em atos terríveis?

O papel que desempenhou nos atentados é uma das principais incógnitas. Por enquanto conhece-se a sua ação na logística. Foi ele que reservou os hotéis para os terroristas, foi também ele que os conduziu no carro preto que o mundo inteiro viu. Depois, sabe-se que atravessou Paris de metro e deitou num caixote do lixo um cinto carregado de explosivos. Porquê? Talvez esta questão encerre a estratégia da defesa.

Embora se trate de “defender o indefensável”, o advogado belga acredita que, na forma como Abdeslam fala do que se passou em França, há matéria para refletir quanto à sua defesa”.

Sven Mary descreve o arguido como alguém que tem a “inteligência de um cinzeiro vazio”, um “vazio abissal”. Mas qualquer que seja o QI de Abdeslam, ele é o único a possuir as informações sobre os atentados de Paris e as indicações preciosas sobre a constituição deste tipo de células terroristas na Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Local da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos pode mudar

Segurança nos estádios de futebol é reforçada após ameaça do Estado Islâmico