EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Quénia quer "proibição total" de comércio de marfim

Quénia quer "proibição total" de comércio de marfim
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, lançou um apelo à “proibição total” do comércio do marfim para evitar a extinção dos elefantes em estado

PUBLICIDADE

O presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, lançou um apelo à “proibição total” do comércio do marfim para evitar a extinção dos elefantes em estado selvagem.

O Quénia vai destruir este sábado 105 toneladas de marfim para chamar a atenção nacional e internacional para a caça e comércio ilegal.

Numa cimeira com os homólogos do Botsuana, do Gabão e do Uganda, Kenyatta afirmou que “existem provas convincentes de que a caça ilegal é assistida por redes criminosas internacionais e alimenta a corrupção.[…] Isso ameaça diretamente a capacidade das nossas nações para obter um desenvolvimento sócio-económico sustentável e significativo”.

Os caçadores furtivos são responsáveis pela morte de 30.000 elefantes por ano, em África. Segundo estimativas das Nações Unidas, existem atualmente cerca de 500.000 elefantes selvagens no continente africano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Christiania, em Copenhaga, quer renascer sem haxixe

Reféns em discoteca neerlandesa libertados. Suspeito detido pela polícia