Nigéria e Afeganistão reagem a gafe de Cameron sobre corrupção

Nigéria e Afeganistão reagem a gafe de Cameron sobre corrupção
De  Rodrigo Barbosa com AFP / Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

David Cameron defende-se da gafe, um dia depois de ser “apanhado” por uma câmara de televisão a dizer à Rainha Isabel II que o Reino Unido ia receber

PUBLICIDADE

David Cameron defende-se da gafe, um dia depois de ser “apanhado” por uma câmara de televisão a dizer à Rainha Isabel II que o Reino Unido ia receber os líderes da Nigéria e do Afeganistão, que classificou como “dois dos países mais corruptos do mundo”, na cimeira anti-corrupção que arranca esta quinta-feira em Londres.

No Parlamento, o primeiro-ministro britânico “corrigiu o tiro” e, depois de dizer, com humor, que seria “provavelmente boa ideia verificar se tem o microfone ligado antes de falar”, defendeu que “países como a Nigéria e o Afeganistão contam com líderes que lutam de forma dura contra sistemas bastante corruptos e deram importantes passos em frente” e é por isso que está ansioso para “os acolher”. Cameron acrescentou que não se deve “retirar as ajudas a esses países, porque os problemas de que sofrem – como as migrações e terrorismo – irão atormentar também [o Reino Unido]”.

As reações da Nigéria e do Afeganistão não se fizeram esperar. Já depois de chegar a Londres para participar na cimeira, o presidente nigeriano disse que não pretende “exigir um pedido de desculpas a ninguém”. Muhammadu Buhari disse que o que pretende é “exigir o regresso dos ativos” fraudulentos escondidos por nigerianos em território britânico.

Downing Street frisou que tanto o presidente nigeriano como o homólogo afegão reconhecem os problemas de corrupção endémica nos respetivos países.

Em Cabul, o deputado Mohammad Farhad Sediqi afirmou que “não há dúvidas de que existe corrupção no Afeganistão. Mas o próprio Reino Unido, os Estados Unidos e a comunidade internacional tiveram um papel no alastramento dessa corrupção”.

A declaração de Cameron surpreendeu, quando está a tentar que os dois países assinem, esta quinta-feira em Londres, “a primeira declaração mundial contra a corrupção”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo