Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

França: Sindicatos votam greve na centrais nucleares

França: Sindicatos votam greve na centrais nucleares
Tamanho do texto Aa Aa

As 19 centrais nucleares francesas arriscam uma paralisação parcial esta quinta-feira. Os trabalhadores afetos à confederação sindical CGT juntam-se às greves que se registam noutros setores, que duram há uma semana, em contestação à nova lei do trabalho. Os sindicatos mais à esquerda acusam o governo socialista de autismo.

“Descer às ruas deixou de ser suficiente, já não nos ouvem – afirma um sindicalista. Chegou o momento de brandir outras armas um pouco mais importantes, um pouco mais consequentes e vamos todos entrar nesta luta para dizer ao governo: não, já chega!”

Apesar das paralisações nas centrais nucleares o abastecimento de eletricidade não deverá ser afetado em virtude de disposições legais. O mesmo não se pode dizer dos combustíveis tradicionais nos transportes.

As autoridades recorreram à força para pôr fim ao bloqueio de um depósito no norte do país. A maioria das refinarias estão encerradas e o terminal do Havre, por onde chegam 40 por cento das importações de petróleo, tem as torneiras fechadas até sexta-feira.

No parlamento, o primeiro-ministro, Manuel Valls, assegurou que as forças da ordem vão continuar a agir para dispersar os bloqueios que ameaçam paralisar o país.

A radicalização do movimento sindical prende-se em grande medida com as eleições para as instâncias de mediação laboral que se realizam no próximo ano. A nova lei do trabalho transformou-se na ocasião ideal para mostrar os músculos.