Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brexit deixou de assustar os mercados financeiros

Brexit deixou de assustar os mercados financeiros
Tamanho do texto Aa Aa

O Brexit deixou de fazer medo aos mercados financeiros internacionais. Depois do nervosismo inicial, a maior parte dos investidores parece ter optado por acreditar que o reino Unido vai continuar na União Europeia.

Nos dias a seguir ao assassinato da deputada britânica Jo Cox, as bolsas ganharam, o preço do petróleo voltou a subir e a libra recuperou terreno face ao dólar e o euro

É o “efeito Jo Cox”: nos dias a seguir ao assassinato da deputada britânica, as bolsas recuperaram, o preço do petróleo voltou a subir e a libra recuperou terreno face ao dólar e o euro.

A libra registou uma subida ao longo da semana e esta quinta-feira atingiu o valor mais alto deste ano em relação ao dólar, nos 1,4844, antes do início da votação, apesar de todas as dúvidas sobre o que poderá acontecer à moeda caso vença o Brexit, ressalva Michael Ingram, analista da empresa de serviços financeiros BCG Partners:

“As coisas parecem estar muito bem. Os mercados estiveram bem durante a semana passada, tivemos a melhor semana para a libra dos últimos seis anos. Os mercados parecem estar a tomar muito a sério as casas de apostas que dão ao Brexit uma chance mínima, e as sondagens não permitem prever o resultado”.

A sessão bolsista arrancou positiva na Europa: com Londres a ganhar mais de 0,5%, Frankfurt a imitar, Paris a crescer quase 0,9%, e Milão, Madrid e Lisboa a subir cerca de 0,4%.

As preocupações ficam para amanhã. É assim também na bolsa de Frankfurt, segundo o analista Oliver Roth, da Capital Markets:

“Temos um ambiente bastante estável aqui na bolsa de Frankfurt. Aguardamos os resultados do referendo sobre o Brexit mas na convicção de que a Grã-Bretanha vai permanecer na União Europeia. Qualquer outra versão só nos traria um monte de problemas amanhã de manhã.”

Os mercados não gostam de surpresas e na Ásia os investidores puseram-se à defesa, entrincheirados no yen e nas dívidas públicas, com Tóquio a manter-se estável.