Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mercados financeiros não dão crédito ao Brexit

Mercados financeiros não dão crédito ao Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

As ações valorizaram, no Reino Unido, com a votação do referendo em curso.

O índice FTSE 100 subiu 1,7%, com o maior avanço semanal desde dezembro de 2011.

A subida a meio da manhã pelo FTSE 100 foi acompanhada por um reforço da libra.

A libra subiu assim que a votação teve início. Cresceu acima de 0,4%, depois de atingir o seu máximo deste ano, com os analistas a prever reforço da moeda nacional em caso de um fracasso do Brexit e uma queda se os britânicos decidirem sair.

“Se decidir-mos sair, o que se seguirá é ainda incerto e os mercados não gostam necessariamente de incertezas. Pode vir a acontecer um volume significativo de vendas a baixos preços. É possível uma deterioração de cerca de 15%. Quanto aquilo que pode acontecer caso seja decidido ficarmos na União Europeia, mantêm-se a situação atual”, avalia Joshua Mahony, analista financeiro.

Em Wall Street domina o otimismo, com a Dow Jones a abrir com uma alta de 0,84%. O índice Standard & Poors desceu 0,17%, o Nasdaq cresceu 0,62%.

Os operadores no mercado nova-iorquino apostaram portanto na derrota do Brexit, confiantes que o Reino Unido permanecerá na União Europeia depois do referendo desta quinta-feira.