Rússia e "Brexit" no centro da cimeira da NATO

Rússia e "Brexit" no centro da cimeira da NATO
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela quinta e última vez como presidente dos Estados Unidos, Barack Obama participará numa cimeira da NATO, em Varsóvia, onde os 28 chefes de Estado e governo presentes deverão completar o reforço mil

PUBLICIDADE

Pela quinta e última vez como presidente dos Estados Unidos, Barack Obama participará numa cimeira da NATO, em Varsóvia, onde os 28 chefes de Estado e governo presentes deverão completar o reforço militar no Leste da Europa. A posição de força face à Rússia, tomada pela Aliança Atlântica desde a crise ucraniana e inédita desde a queda da União Soviética, tem suscitado vivas críticas de Moscovo.

Jeffrey Rathke, antigo responsável da NATO, diz que “vivemos certamente num ambiente muito mais ameaçador. Há a questão sobre se algum tipo de invasão é iminente; penso que é pouco provável. Mas a atividade russa é tal que os Estados Unidos, em conjunto com os aliados da NATO, apercebem-se que é necessária uma medida defensiva mais forte”.

O papel exato dos Estados Unidos na proteção da Europa será um tema central do debate em Varsóvia, segundo Heather Conley. A diretora do Programa Europeu do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington, afirma que “é preciso, em primeira instância, ver em que medida os parceiros europeus estão dispostos a acolher esse papel” por parte dos Estados Unidos.

A instabilidade gerada na Europa e no resto do mundo pelo voto a favor da saída do Reino Unido do bloco comunitário também marcará a cimeira, como sublinha o correspondente da euronews em Washington. Stefan Grobe diz que os Estados Unidos “tem mostrado alguma relutância em falar recentemente acerca de assuntos europeus e das ondas de choque sísmicas provocadas pelo voto do Brexit. Em Varsóvia, Obama será lembrado da fragilidade da Europa, mas a tarefa de um maior compromisso norte-americano cairá certamente nas mãos do sucessor”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Polónia: eleições locais mostram que conservadores continuam a ser força política de peso

Eleições locais na Polónia testam Governo de Tusk há menos de quatro meses no poder