EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Polémica: Qandeel Baloch, a "Kim Kardashian paquistanesa", foi fotografada com um clérigo

Polémica: Qandeel Baloch, a "Kim Kardashian paquistanesa", foi fotografada com um clérigo
Direitos de autor 
De  Euronews com Reuters, AP, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No Paquistão, um destacado clérigo muçulmano está a ser investigado na sequência do assassinato da celebridade das redes sociais, Qandeel Baloch.

PUBLICIDADE

No Paquistão, um destacado clérigo muçulmano está a ser investigado na sequência do assassinato da celebridade das redes sociais, Qandeel Baloch.

O clérigo, Abdul Qavi, foi alvo de críticas depois de ter aparecido na companhia da celebridade numa série de imagens do tipo ‘selfie’.

O clérigo negou qualquer envolvimento no crime tendo sido suspenso de um conselho que inclui figuras religiosas de destaque.

Esta segunda-feira, dezenas de pessoas protestaram na capital paquistanesa, Islamabad, contra o assassinato da celebridade.

A celebridade, descrita como a versão local de Kim Kardashian, foi assassinada pelo seu irmão, Muhammad Waseem, na sexta-feira passada.

Waseem entretanto já admitiu o crime.

“A razão para a morte foram os vídeos que ela colocou no Facebook e que nós não podemos tolerar”, disse o irmão depois de detido pelas autoridades policiais.

O assassinato da celebridade volta a reacender o debate em torno dos chamados “crimes de honra” no Paquistão.

Todos os anos mais de 500 pessoas, na sua maioria mulheres são assassinadas por elementos da própria família.

Qandeel Baloch dividia a opinião no Paquistão.

As imagens colocadas na sua página de Facebook suscitavam controvérsia numa sociedade profundamente conservadora.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Paquistão: centenas de pessoas tratadas por insolação durante vaga de calor

Regresso forçado de milhares de afegãos satura fronteira com o Paquistão

Mais de 165 mil afegãos obrigados a abandonar o Paquistão