EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Zika: governo dos EUA critica inação do Congresso

Zika: governo dos EUA critica inação do Congresso
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE / Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os receios de uma propagação do Zika aumentam nos Estados Unidos, quando estão confirmados 15 casos “autóctones” na região de Miami e depois do Pentágono ter anunciado que 33 militares, incluíndo uma

PUBLICIDADE

Os receios de uma propagação do Zika aumentam nos Estados Unidos, quando estão confirmados 15 casos “autóctones” na região de Miami e depois do Pentágono ter anunciado que 33 militares, incluíndo uma mulher grávida, foram contaminados em missões no estrangeiro.

A administração Obama avisou que os fundos para combater o vírus podem esgotar-se nas próximas semanas, devido à inação no Congresso.

O senador republicano da Florida, Marco Rubio, afirmou que “chegou a hora de pôr fim aos jogos políticos. É preciso financiamento o mais rápido possível e ambos os partidos devem pôr as divergências de lado. [Os legisladores] do resto do país não devem continuar a acreditar que este assunto não os afeta porque, se agora acontece no condado de Miami-Dade, outras jurisdições e outros Estados podem em breve enfrentar a mesma situação”.

Até ao momento, foram identificados 1650 casos nos Estados Unidos, a larga maioria dos quais resultando de contaminações no estrangeiro, contrariamente aos casos recentes registados na Florida.

Investigadores do governo norte-americano começaram os primeiros testes clínicos de uma segunda vacina contra o Zika, que será administrada a 80 voluntários em boa saúde. O principal objetivo da nova vacina é levar o corpo a desenvolver uma reação imunitária ao vírus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos