Portugal: Bombeiros continuam a lutar contra as chamas em demasiadas frentes

Portugal: Bombeiros continuam a lutar contra as chamas em demasiadas frentes
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

São muitas as florestas que continuam a arder em Portugal continental e o fogo continua também a não dar tréguas na Madeira.

São muitas as florestas que continuam a arder em Portugal continental e o fogo continua também a não dar tréguas na Madeira.

PUBLICIDADE

São cerca de 190 os incêndios ativos em todo o território. Há ainda milhares de operacionais no terreno entre eles mais de 600 militares das Forças Armadas nas operações de socorro.

Na Madeira foi uma noite infernal, a de ontem, e a situação não está controlada. Três pessoas morreram, há quase um milhar de desalojados, dezenas de turistas foram evacuados. A maioria terá regressado aos seus hotéis:

“Acho que sabíamos que ia acontecer porque as casas na rua ao lado estavam a arder e havia muito fumo e viam-se cinzas a cair do céu”, adianta um turista escocês.

“Têm sido todos fantásticos. Trouxeram-nos para aqui deram-nos mantas, comida, bebidas, incluindo água. Têm sido todos muito prestáveis”, refere outra turista escocesa.

No continente, os casos mais problemáticos são nos distritos do Porto, Braga, Aveiro e Viseu. Em Águeda está ainda por controlar um incêndio que ameaçava chegar à cidade.

O governo português acionou já o mecanismo europeu de proteção civil. Itália já respondeu e vai enviar, esta quinta-feira, um avião Canadair, Mas também Marrocos vai enviar dois aviões.

Nos últimos dias, o número de incêndios registados no país ultrapassou sempre as trezentas ocorrências e os ventos fortes, que se prevê se agravem nas próximas horas em todo o território nacional, não ajudam.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Liga dos Bombeiros Portugueses culpabiliza poder político pelos incêndios

Ucrânia alega assassinato de comandante russo em recentes ataques na Crimeia

Marroquinos criticam governo por bloquear ajuda internacional