EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Grécia reduz TV privadas e encaixa 246 milhões de euros

Grécia reduz TV privadas e encaixa 246 milhões de euros
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com Akis Tatsis, L'Expasion, Libération
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Durante as 66 horas consecutivas de um polémico leilão, oito licitadores foram privados de telefone e de computador e totalmente isolados uns dos outros e do resto do mundo. O objetivo do governo é o

PUBLICIDADE

SKAI TV, Kalogritsas, Antenna TV e “Alter Ego” – o canal do dono do clube de futebol Panathinaikos – foram os vencedores de um leilão sem precedentes: o da atribuição de frequências a televisões privadas, na Grécia.

O leilão começou no dia 30 de agosto e terminou esta sexta-feira. A partir de uma base de licitação de 3 milhões de euros, o governo de Atenas acabou por encaixar 246 milhões de euros numa operação de charme para o estrangeiro, admite Nikos Pappas, o ministro de Estado:

“Estamos profundamente satisfeitos com o resultado do leilão, especialmente porque conseguimos transmitir, tanto interna como externamente, a mensagem de que a Grécia é um país em recuperação. E isso é algo de que a Grécia precisa, especialmente depois da crise económica.”

Durante as 66 horas consecutivas do leilão, os oito licitadores foram privados de telefone e de computador e totalmente isolados uns dos outros e do resto do mundo.

Um processo sobre o qual Bruxelas não quis pronunciar-se – já que não é da sua competência – mas que até os vencedores da almejada frequência criticam.

“Não comprámos nem concorremos a uma frequência. Viemos aqui para negociar, para pagar um resgate e libertar os reféns, de forma a continuarmos a nossa atividade de órgão de comunicação independente que tem vindo a escrever a sua história e, ao que, como se vê, continuará a fazê-lo”, remata Kostas Kimpouropoulos, da Skai TV.

O objetivo do governo é o saneamento do setor audiovisual mas esta grande reforma é extremamente polémica.

A Mega TV, por exemplo, canal superendividado mas líder das audiências, nem sequer fez parte das oito finalistas. Manolis Kapsis, o diretor, não tem papas na língua:

“Aquilo a que este governo chama ‘luta contra os magnatas da imprensa’ é um álibi da extrema-esquerda para o governo populista do senhor Tsipras, que já provou ser incapaz de de cumprir as suas promessas económicas.”

Com as novas frequências, atribuídas por 10 anos, o panorama audiovisual grego vai sofrer mudanças radicais com uma redução das atuais seis a apenas quatro televisões privadas.

O processo, contudo, ainda não está terminado, como explica Akis Tatsis, correspondente da euronews em Atenas: “Durante os próximos cinco dias, as autoridades gregas têm de confirmar os dados económicos dos vencedores e, dentro de 15 dias, os vencedores têm de pagar a primeira das três parcelas devidas. Entretanto, os tribunais gregos têm de analisar os recursos dos consórcios participantes, E dentro de 90 dias, os canais que não ganharam frequências têm de deixar de emitir.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Televisão pública húngara emite debate político pela primeira vez em 18 anos

A proliferação de notícias falsas na Eslováquia serve de aviso à UE

Presidente da Geórgia garante em entrevista à Euronews que vai vetar lei dos "agentes estrangeiros"