Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

O quebra-cabeças político espanhol explicado

O quebra-cabeças político espanhol explicado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sexta-feira foi a segunda vez em 48 horas que Mariano Rajoy tentou que o parlamento espanhol aprovasse o governo, sem sucesso. Rajoy dirige um governo de gestão há 8 dias. Para a aprovação, precisava de 11 abstenções.

Temos de entrar numa cultura de pactos, o que ainda não existe em Espanha. Há a nível regional e local, mas não a nível nacional.

Fernando Vallespín Politólogo

Mas os 180 deputados que tinham votado contra da primeira vez, incluindo o PSOE e o Podemos, voltaram a votar contra. Os 170 votos a favor, vindos do PP e do Ciudadanos, não foram suficientes para formar governo. Desde Dezembro, os espanhóis foram já duas vezes às urnas.

O politólogo Fernando Vallespín explica à euronews esta situação sem precedentes em Espanha. Para já, o que prevê a constituição é o seguinte: “Abre-se uma nova fase, que pode durar no máximo dois meses, para que as forças políticas tentem chegar a um acordo diferente do que propôs Rajoy. O líder da oposição, Pedro Sánchez, os socialistas ou outros grupos podem por-se em marcha para que outro candidato se apresente à investidura. Ou até o próprio Rajoy. Mas penso que só o vai fazer se tiver a certeza que consegue”, explica.

Uma das certezas é que nada vai mudar até 25 de setembro, data das eleições regionais na Galiza e no País Basco. Os resultados podem reforçar ou enfraquecer o partido de Rajoy, o PP, de centro-direita.

Fernando Vallespín: “As eleições no País Basco e na Galiza, de certa forma, vão impedir os partidos e grupos políticos de chegar a acordo até que acabem, porque entramos num período de campanha eleitoral nesses sítios. São duas regiões muito sensíveis. Numa delas, a Galiza, o PP é dominante. No País Basco, tanto o Podemos como os nacionalistas têm uma grande presença”.

No poder desde 2011, depois de ter ganho as eleições de dezembro e junho, Rajoy insiste no direito de governar. O partido mostra união face ao candidato. Por que razão Rajoy não consegue encontrar apoio suficiente nas outras forças políticas? Vallespín explica: “O PP é o único partido do sistema político espanhol que não se renovou desde a crise política em Espanha – Crise política, produto da crise económica. Nesse sentido, Rajoy está assinalado. Ele é o responsável máximo de um partido onde há muita gente a ser julgada por crimes de corrupção. O que não facilita que se faça pactos com eles.”

O panorama político de Espanha viu, nos últimos anos, o surgimento de dois partidos. O Podemos, à esquerda e o Ciudadanos, centrista. A aparição destes partidos pôs fim à tradição de maiorias absolutas do PP ou do PSOE, que continuam a ser os partidos principais, embora enfraquecidos.

FV: “Só a figura de Rajoy vai conseguir desbloquear o apoio ao Partido Popular. O PP não vai prescindir de Rajoy como candidato à presidência do governo, não tenho a mínima dúvida. Por isso, por aí não há possibilidade de conseguir a investidura. Mesmo se o PSOE quiser fazer algo em conjunto com o Podemos, e ao que parece o Podemos prestar-se-ia a isso, ficaria longe dos números necessários para ter uma maioria. Ou seja, há uma situação de bloqueio perfeito”.

Além do panorama político diferente, com o aparecimento dos novos partidos, uma reforma do sistema eleitoral pode vir a acentuar ainda mais este multipartidarismo. A solução parece ser criar uma cultura de pactos políticos, a que a Espanha ainda não está habituada: “A reforma do sistema eleitoral em Espanha vai por outro caminho. A maioria das forças políticas está a favor de uma reforma que favoreça ainda mais a proporcionalidade. Temos de entrar numa cultura de pactos, o que ainda não existe em Espanha. Há a nível regional e local, mas não a nível nacional. Devemos favorecer a criação dessa cultura e devemos, sobretudo, voltar a adaptar a política real às novas condições sociológicas do país, que provocaram esta situação”, conclui Vallespín.