Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Petróleo: Rússia e Arábia Saudita reforçam colaboração mas não há acordo sobre congelamento da produção

Petróleo: Rússia e Arábia Saudita reforçam colaboração mas não há acordo sobre congelamento da produção
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia e a Arábia Saudita comprometeram-se a reforçar a colaboração bilateral e com outros países produtores para estabilizar o mercado petrolífero. O pacto foi assinado, esta segunda-feira (5 de setembro) à margem da cimeira do G20, em Hangzhou, na China.

No entanto, seis meses após o fracasso das discussões de Doha, os dois maiores produtores mundiais de petróleo não mencionam um eventual congelamento da produção.

Khalid bin Abdulaziz Al Falih, ministro saudita da Energia e dos Recursos Naturais, estima: “A Rússia e a Arábia Saudita vão beneficiar das suas posições, enquanto líderes de produção e do mercado de petróleo. Os dois países têm uma razão comum: a estabilização do mercado petrolífero”.

O pacto, descrito como “histórico” pelo ministro russo da Energia, prevê uma reunião do grupo de trabalho em outubro, em Moscovo.

Segundo Alexander Novak, o objetivo é a “coordenação de ações para garantir a estabilidade e previsibilidade do mercado”.

Numa primeira reação ao acordo, o preço do barril de crude disparou 5%, antes de recuar ligeiramente.

As consequências económicas de dois anos de preços baixos são importantes para os países exportadores. Mesmo assim, os membros da OPEP recusaram até agora congelar a produção, sem uma participação do Irão.

A Rússia, que não integra a OPEP, estima que o preço atual é injusto, mas considera que Teerão tem o direito de atingir os níveis de produção que tinha antes das sanções internacionais.