Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ajuda humanitária regressa à Síria

Ajuda humanitária regressa à Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de uma pausa de 48 horas, a ajuda humanitária das Nações Unidas voltou a chegar às zonas cercadas da Síria. Uma coluna da ONU chegou a uma zona dos arredores de Damasco ocupada pelos rebeldes, ao mesmo tempo que a ajuda dos russos chega a Homs.

A situação de segurança na Síria não é só uma, é toda uma manta de retalhos, feita de vários níveis de segurança e insegurança.

Jens Laerke Porta-voz do gabinete da ONU para os assuntos humanitários

A pausa na ajuda humanitária foi causada pelo ataque a uma coluna, na segunda feira, que terá morto pelo menos vinte civis.

“A situação de segurança na Síria não é só uma, é toda uma manta de retalhos, feita de vários níveis de segurança e insegurança. Tem todo um conjunto de atores e grupos armados e temos de levar isso em conta, quando analisamos a situação caso a caso. É o que fazemos quando mandamos ajuda para as zonas rurais à volta de Damasco como estamos a fazer agora ou quando voltarmos a entregar ajuda em Alepo, o que espero possa acontecer muito em breve”, diz Jens Laerke, porta-voz do gabinete da ONU para os assuntos humanitários.

A Rússia e os Estados Unidos atiram-se mutuamente as culpas pelo ataque de segunda-feira. Washington e a ONU dizem que se tratou de um ataque aéreo, provavelmente da Rússia ou da aviação síria. A Rússia diz que não tem responsabilidades e que este foi um ataque terrestre. Falou também da presença de um drone americano na zona.

Depois de um encontro com o MNE russo Serguei Lavrov, o secretário de Estado norte-americano John Kerry diz que tem esperança que no salvamento do cessar-fogo assinado na semana passada. Cessar-fogo mais uma vez posto em causa com novos ataques em Alepo. Vídeos divulgados pelas organizações rebeldes mostram os momentos que se seguiram ao bombardeamento de várias zonas da cidade. O observatório sírio dos direitos humanos, associação contra o regime de Assad sediada em Londres, diz que estes últimos ataques fizeram pelo menos 52 mortos.

Em Homs, cerca de 300 combatentes rebeldes e respetivas famílias, um total de cerca de mil pessoas, começaram a ser transportados para outra zona, depois de um acordo com a Rússia e o governo sírio. Estes acordos estão a permitir a evacuação de várias zonas também na província de Idlib.