Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Parte da Europa fecha as suas portas para melhor controlar a emigração

Parte da Europa fecha as suas portas para melhor controlar a emigração
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois da Europa sem fronteiras alguns países fazem marcha atrás mas, desta vez, constroem verdadeiras barreiras, “Muros de Berlim” dos tempos modernos, ou seja, o betão deu lugar, na maioria dos casos, ao arame farpado e as motivações são outras.

Na origem destas medidas extremas de segurança está a crise migratória que levou mesmo França, principalmente para serenar os ânimos do outro lado do Canal da Mancha, a iniciar a construção de uma imensa barreira, para tentar controlar a emigração ilegal.

Mas foi a Hungria, aliás muito criticada e ameaçada pelos seus pares na União Europeia, a pioneira nesta corrida ao restabelecimento, efetivo, das fronteiras. Quatro metros de altura de uma cerca que percorre os 175 quilómetros da fronteira com a Sérvia e depois com a Croácia.

O precedente estava aberto. Áustria, Eslovénia e a Noruega seguiram os passos da Hungria.

A Áustria, com 90 000 pedidos de asilo submetidos, o que representa mais de 1% da população do país, sente-se sugada por esta crise. A decisão de construir um muro, na fronteira com a Itália e Alemanha, não tardou. Os italianos mostraram reticências e protestaram, alheios às dúvidas dos vizinhos, a obra já começou, ainda que o governador da província autónoma italiana de Tirol do Sul tente minimizar a situação:

“Tanto quanto sei, o que está a ser construído é uma plataforma de betão, para que possa ser colocado um telhado, o objetivo é que as pessoas que efetuam os controlos de fronteira tenham um teto sobre as cabeças”, afirmou Arno Kompatscher.

Em Calais, França, há também um maior controlo, há já algum tempo. O objetivo é garantir a segurança na estrada nacional, que liga ao Porto e onde nasceu a chamada “Selva de Calais”, onde se amontoam pessoas, de várias origens, que têm como objetivo atravessar para o Reino Unido. Aqui, arrancou, na terça-feira, a construção de uma barreira de 4 metros de altura e um quilómetro de comprimento.

A crise migratória toca também os países mais a norte da Europa, reputados pela sua generosidade. Um mito, talvez, já que a Noruega está a construir uma fronteira física, no Ártico, no lugar onde se encontra com a Rússia, o mesmo através do qual mais 5000 refugiados, maioritariamente sírios, atravessaram em busca de um futuro melhor.