Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Daesh reivindica carnificina no Paquistão

Daesh reivindica carnificina no Paquistão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma carnificina numa academia de polícia do Paquistão. O grupo Estado Islâmico reivindicou o ataque à academia de Quetta que provocou pelo menos 61 mortos e 165 feridos, de acordo com as autoridades.

Mas ainda existem dúvidas sobre a verdadeira autoria já que um oficial superior das forças armadas paquistanesas apontou o dedo ao Lashkar-e-Jhangvi, grupo talibã com ligações ao Daesh.

“Basicamente, neste ataque, estiveram envolvidos terroristas do Lashkar-e-Jhangvi Al Alami e estavam a receber instruções dos comandantes no interior do Afeganistão”, explicou o Major General Sher Afghan, chefe das forças paramilitares de Quetta.

Tudo aconteceu durante a noite. Apenas três homens armados e com coletes de explosivos neutralizaram a guarda no recinto e dirigiram-se às camaratas on dormiam centenas de recrutas.

“Os terroristas planearam um ataque com um grande número de vítimas, pois nesta academia estavam cerca de 700 cadetes mas graças à rápida resposta das nossas forças o plano deles não foi bem sucedido”, diz o ministro do Interior da província do Baluchistão, Sarfaraz Bugti.

Em agosto o grupo Estado Islâmico reivindicou um ataque num Hospital que de Quetta que matou 70 pessoas, uma ação também assumida pelos Talibãs do grupo Jamaat-ur-Ahrar.