Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bulgária e Moldávia elegem presidentes pró-russos

Bulgária e Moldávia elegem presidentes pró-russos
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições presidenciais na Bulgária e na Moldávia marcam a tendência pró-russa em Estados que foram antigas repúblicas soviéticas. Nos dois países, os candidatos que acabaram por ser eleitos manifestaram, ao longo de toda a campanha, o desejo de estreitar relações e encetar diálogos de parcerias com Moscovo, de forma pragmática.

Na Moldávia, Igor Dodon bateu a candidata pró-europeia, Maia Sandu, na segunda volta. O presidente eleito fez da relação estratégica com Moscovo o seu estandarte de campanha.

“Sem o restabelecimento de relações amigáveis e estratégicas com a Federação Russa, a República da Moldávia não tem futuro. Tivémos estas relações amigáveis ao longo de centenas de anos”, afirmou Dodon.

Igor Dodon prometeu nomeadamente que mudará a componente económica do Acordo de Associação com a União Europeia, assinado em 2014 entre Bruxelas e o governo de Chisinau. Um acordo que tinha levado a Rússia a decretar um embargo aos frutos e à carne moldavas, penalisando uma grnade parte da população que vive da agricultura.

A Bulgária, membro da União Europeia, mas fortemente dependente do gás russo, elegeu também um presidente russófilo, o socialista Rouman Radev. Radev que fez campanha com o argumento da aproximação do país com a Rússia, não se coíbe de pedir também o levantamento das sanções europeias contra Moscovo e defende que a “Crimeia anexada pela Rússia é, de facto, um território russo”

A analista política Amanda Paul, sedeada em Bruxelas, fala-nos das razões que levam estes países a aproximarem-se mais do Leste que do Ocidente.
“Penso que o que se passa na Bulgária tem a ver com a crise na Europa e com a apatia da sociedade, que está cansada dos líderes políticos atuais. Penso que esta escolha tem a ver com o cenário negativo na Europa. As pessoas procuram algo diferente do que têm tido nos últimos anos. E claro que estes candidatos representam a rutura com o sistema. Na Moldávia acho que tem a ver mais com a deceção gerada pela corrupção das elites nos últimos anos. As elites governativas que deveriam ter adotado políticas para que o país se tornasse mais próspero e menos corrupto”.

Estes dois resultados eleitorais permitiram à Rússia recuperar um aliado do tempo da era soviética, a Moldávia, um pequeno país estrategicamente situado entre a Roménia e a Ucrânia, e ganhar um aliado no seio da União Europeia, a Bulgária.