Migrantes rumo à UE: Confrontos junto à Croácia e mais 1500 pessoas na Sicília

Migrantes rumo à UE: Confrontos junto à Croácia e mais 1500 pessoas na Sicília
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A chamada rota dos Balcãs continua a ser usada pelos migrantes apesar de várias fronteiras estarem fechadas; no Mediterrâneo, sucedem-de os resgates, incluindo de muitas crianças desacompanhadas.

PUBLICIDADE

Um grupo com pouco mais de 100 migrantes, em trânsito pela Sérvia, entrou em confronto esta segunda-feira com as autoridades fronteiriças ao tentar forçar a entrada na Croácia.

Os migrantes terão caminhado mais de uma centena de quilómetros desde Belgrado, na esperança de poderem cruzar a fronteira e seguir viagem rumo ao centro norte da União europeia. O grupo ainda conseguiu furar o cordão de segurança sérvio, mas foi intercetado por agentes de ambos os países antes de conseguir entrar na Croácia e teve de recuar após algumas escaramuças.

Migrants try to break through police barricade and cross into Croatia https://t.co/7Ch0jg8taUpic.twitter.com/Piq2aq7g8Q

— Balkan News Agency (@IBalkanNA) 14 de novembro de 2016

Oriundos na maioria do Afeganistão e do Paquistão, estes migrantes exigiam cruzar a fronteira, mas esbarraram na intransigência croata e tiveram de voltar para centros de abrigo na Sérvia, país onde estarão registados quase 6500 migrantes, de acordo com a agência para os Refugiados das Nações Unidas.

Resgates no Mediterrâneo continuam aos milhares

À Sicília, no sul de Itália, chegaram esta segunda-feira cerca de 1400 migrantes resgatados no Mediterrâneo durante o fim de semana. Entre os vários barcos envolvidos nas operações de busca e salvamento destes últimos dias, estava o “Dignity 1”, ao serviço dos Médicos Sem Fronteiras e que desembarcou pela manhã em Pozzallo.

#CentraleOperativa#GuardiaCostiera coordina7 operazioni.Salvati 1400 migranti, intervenuti moas_eu</a> <a href="https://twitter.com/MSF_ITALIA">MSF_ITALIASOSMeditalia</a> <a href="https://twitter.com/jugendrettet">jugendrettet

— Guardia Costiera (@guardiacostiera) 12 de novembro de 2016

A bordo do “Dignity 1” estariam mais de 300 migrantes e refugiados. Cerca de 55 deles, alertam os Médicos Sem Fronteiras, eram crianças desacompanhadas. “Imagine o seu filho de 16 anos a cruzar sozinho o deserto e depois o mar”, lança a organização através do Twitter para criar mais identificação dos seguidores com estes adolescentes em fuga.

55 of the 323 humans onboard the #Dignity1 are unaccompanied kids. Imagine your 16 year old crossing the desert and then the sea alone. pic.twitter.com/Rm6nOV1JNS

— MSF Sea (@MSF_Sea) 12 de novembro de 2016

De acordo com a agência das ONU para os Refugiados, só este ano já terão chegado à Europa através do mar quase 340 mil migrantes e refugiados. Mais de 4200, a agência presume que tenham perdido a vida no Mediterrâneo.

A Pozzallo continua l'assistenza allo sbarco di #CroceRossa delle persone #migranti tratte in salvo dalla nave Dignity nel Mediterraneo. pic.twitter.com/k7lOqecNkv

— Croce Rossa Italiana (@crocerossa) 14 de novembro de 2016

“We have to engage, because this is not the past. This is now” MassiveAttackUK</a>&#39;s Rob Del Naja + <a href="https://twitter.com/gilesduley">gilesduley stand together #WithRefugeespic.twitter.com/728jd9YN7D

— UN Refugee Agency (@Refugees) 14 de novembro de 2016

Morning from the #Argos where 797 #people look to the future for the 1st time in months. They've survived the sea so nothing is impossible. pic.twitter.com/kjD46zKLG0

— MSF Sea (@MSF_Sea) 13 de novembro de 2016

Breakfast on the #Phoenix this morning as it sails up towards Italy with 339 people looking to start a new life! #RescueHumanity#SavingHopepic.twitter.com/ve2BL6tnxC

— MOAS (@moas_eu) 14 de novembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A viragem da política de imigração da Alemanha: necessidade ou jogo político?

Vice-diretor do Programa Alimentar Mundial sobre Gaza: "Fome generalizada ao virar da esquina"

Mortes de migrantes no Canal da Mancha levantam questões em Londres e Paris