EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Iémen: Trégua humanitária de 48 horas

Iémen: Trégua humanitária de 48 horas
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os rebeldes hutíes e as forças da coligação árabe de apoio ao presidente Abdo Rabu Mansur Hadi acusaram-se mutuamente de violação da trégua de 48 horas que entrou em vigor na manhã deste…

PUBLICIDADE

Os rebeldes hutíes e as forças da coligação árabe de apoio ao presidente Abdo Rabu Mansur Hadi acusaram-se mutuamente de violação da trégua de 48 horas que entrou em vigor na manhã deste sábado.

É o oitavo cessar-fogo desde a eclosão da guerra civil no país que acabou por nao ser respeitado por nehuma das partes, como foi o caso na cidade de Taiz (sudeste).

“Não estou otimista. Houve vários cessar-fogos que não foram respeitados e eu tenho a certeza que este não será respeitado. Em geral, durante o cessar-fogo ambos os lados aproveitam a oportunidade para se preparar e continuar a guerra.”

Várias pessoas denunciaram confrontos entre as duas facções na periferia da cidade, sitiada pelos hutíes não pararam até ao meio-dia alturaem que ambos os lados concordaram em cessar as hostilidades.

As testemunhas acrescentaram que os hutíes bombardearam os bairros de Al Yamaliya, Tabat e Sala de leste localizado sobre as montanhas da cidade.

Quinze violações da trégua terão sido registadas durante as primeiras horas da entrada em vigor, com ataques de artilharia, metralhadoras pesadas contra as posições das forças do governo.

De acordo com um comunicado da coaligação árabe publicado pela agência oficial saudita SPA, a trégua inclui a entrada de ajuda humanitária nas áreas sitiadas no Iémen.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mísseis houthis atingem petroleiro no Mar Vermelho. Drone americano abatido

Três mortos e quatro feridos no primeiro ataque mortal dos Houthis a um navio comercial

EUA e Reino Unido atacam alvos Houthi no Iémen depois de um navio ter sido atingido no Mar Vermelho